Porque fazer humor e podcast é uma arte

































Diário de casamento – Preparativo para o casamento


Autor: Eubalena ~ 14 de abril de 2010. Categorias: Mona em Família.

Como já falei a vocês, sou um pouco afobada e acabo procurando tudo com muita antecedência. Comecei conversando com amigas que já casaram sobre indicações de serviços para que entrássemos em contato pedindo orçamentos.

Gostei muito das fotos de uma amiga e logo pedi o contato do fotografo, logo pedi o telefone para entrar em contato. Esse fotografo até me atendeu, passou o e-mail para a solicitação de orçamento e até hoje nada.

Depois pedi à minha madrinha o telefone da cerimonialista do casamento dela e liguei correndo, depois descobri que ela não estava mais trabalhando na área. Pense na tristeza que senti depois disso, pois é, mas não desanimei. Continuei procurando em sites cada prestação de serviço, buscando cada vez mais indicações através da comunidade noivas de Brasília e amigas.

Comecei pedindo orçamento de lugar para a realização da festa. A cada e-mail recebido de orçamento, um pulo eu dava, como as coisas aqui em Brasília são caras, e sem falar que você diz a palavra casamento os valores triplicam. Até que começamos analisar qual o local mais perto da igreja para não judiarmos de nossos convidados. Decidimos o local, mas não fechamos ainda porque não conseguimos agendar ainda na igreja.

Quando saí de férias, aproveitei para ver a igreja que escolhemos para a celebração do casamento se já estava com a agenda aberta para fevereiro de 2011, e para a minha surpresa, ainda não estava só em 2010 abririam à agenda. Fiquei um pouco preocupada porque queria já estar com a data certa para pedirmos os orçamentos com a data correta.

No final do ano liguei para um buffet e pedimos o orçamento, disse lhe que foi indicação da minha madrinha que gostei muito da comida oferecida no casamento dela. Como ela não passou de imediato o orçamento, nos convidou para uma degustação para conversarmos sobre negócios enquanto experimentávamos os quitutes. Pensem no tanto que comemos? Na inexperiência acabamos comendo quase todos os pratos e salgados iguais e passamos a não agüentar mais, recusei um monte de salgados e ainda vinha o prato principal. Veio até o bolo com doces, acham que não levei bombom para casa? Não pensei duas vezes.

Fiquei sabendo que teria um bazar de vestidos de noiva em um ateliê bem conceituado e com valores maravilhosos, mas não achei que valeria a pena comprar, pois onde eu iria guardar, ou como iria vender? Sou muito magra e é difícil encontrar noivas do mesmo peso que o meu.

O ano de 2009 foi o ano de casamentos para nós. Fomos a pelo menos oito casamentos, ficava de olho em tudo pra ver se o buffet era bom, se os garçons serviam corretamente, se a cerimonialista não deixaria furos, o local escolhido pelo casal, sem contar que reparava nos modelitos da mulherada também, hihihi. Pelo menos tivemos uma noção do que preparar para o nosso.

Uma das madrinhas ofereceu para fazer as lembrancinhas de casamento e eu adorei. Minha irmã fará a porta-guardanapo em biscuit, minha cunhada o topo de bolo, minha mãe meu buquê e decoração de flores. Já estamos caminhando bem.

Começamos também a olhar um destino para a lua de mel, mas não decidimos ainda. Tantos lugares para conhecer e valores tão diferentes que preferimos aguardar um pouco pelas promoções. Ainda estamos indecisos para onde iremos.

No meu trabalho as meninas já não agüentam ouvir me falar dos preparativos, de tanto que falo e o quanto estou empolgada.

Esse ano fomos a mais um buffet. Muito chique. Todo montado como se tivesse um casamento acontecendo naquele momento. Fomos recepcionados com uma taça de Champanhe, na entrada a mesa de café e doces montada, decoração perfeita. O valor não mudou muito do outro buffet, mas com uma diferença, o coquetel volante era melhor e o jantar deixou a desejar. Aí bateu uma dúvida cruel. Qual escolheríamos? A que tem o melhor coquetel volante ou a que tem o melhor jantar? Não resolvemos nada ainda, pois tem mais um buffet para visitar.

Tivemos que parar um pouco a correria do casamento para correr atrás da reforma do apartamento. Com o projeto já pronto minha sogra pediu para começar o quanto antes, e assim fizemos.

Eu e Jônatas estamos muito cansados de tanto correr para cima e para baixo, mas sabemos que tudo dará certo e sairá do jeito que queremos.

Áurea – a noiva


Diário de Casamento:UMA CAMINHADA


Autor: Eubalena ~ 5 de abril de 2010. Categorias: Mona em Família.

Casal caminhando

Este texto conta fatos acontecidos antes do noivado.

Depois do pedido de namoro relâmpago passamos por um tempo de dúvidas. Eu como sempre gostei muito de dançar, continuei saindo para dançar salsa e forró mesmo sem a namorada nova. E numa dessas saídas encontrei um dos meus melhores amigos e conversamos sobre o namoro novo e pude discutir minhas dúvidas com ele sobre se valia a pena mesmo continuar esta loucura. (hoje não acho loucura.)

Acontece que eu tinha alguns preconceitos bobos, mas resolvi continuar pra ver no que dava. Na verdade no dia em que eu estava mais em dúvida ela acabou me fisgando mesmo com sua doçura e sorriso sempre aberto bem característico dela.

Para vocês terem uma idéia de como ela ri, se resolverem ligar para ela, acho que ela vai ficar metade do tempo da ligação rindo. É uma das coisas que mais me chamou a atenção nela, esse bom humor sempre presente.

Após esse início meio conturbado, aconteceu um fato interessante, propiciado novamente pelo Orkut. Mesmo antes de namorar já havíamos percebido que tínhamos alguns amigos em comum, pois isso aparece no Orkut, e uma amiga minha que conheço desde que me entendo por gente, que é muito amiga dela também (isso acontece muito em Brasília) mandou um scrap para Áurea falando que não acreditava que ela estava namorando comigo. Mais uma vez com certo receio, minha namorada na época, ficou super curiosa (isso acontece muito com mulheres!) e quis saber logo porque do scrap misterioso. Ainda bem que ela só falou coisa boa de mim, além do fato de eu ser super tímido antigamente.

Dias depois pudemos encontrar com os pais dessa amiga em uma festa juntamente com a minha sogra, que ainda estava meio desconfiada comigo, e a minha tia (mãe da amiga em comum) falou suuuper bem de mim, o que creio deixou os sogrinhos mais aliviados.

Fora o desgosto dela por azeitona e cogumelos (que eu gosto muito) fomos percebendo que temos muito em comum. Como por exemplo, gostamos de vídeo-game, carros e futebol, é…. isso mesmo! Achei uma namorada que adora jogar vídeo-game e até assiste aos jogos do meu time do coração (e torce pra ele), mesmo torcendo pra um timinho aí que nem vale à pena comentar qual é.

Claro que houve algumas poucas brigas e trabalhos de convencimento de ambas as partes, como quando eu a convenci a me deixar sair pra dançar forró sem ela e o dela de me convencer a ficar os finais de semana todinhos na casa dela! Mas isso são coisas que servem pra ajustar o relacionamento.

Também tive o prazer de ter todo o apoio possível por parte dela em momentos bem difíceis da minha vida, numa época de desemprego e em vezes que ninguém acreditava que eu iria passar em um concurso para melhorar de vida (no qual eu passei sim) e ela sempre esteve lá para me apoiar.

Por essas e outras, nesses dois anos de namoro, antes do noivado, pude ir conhecendo mais a maravilhosa pessoa que a Áurea é, e também perceber que desta vez eu dei sorte mesmo, pois ela é tudo que eu pedi, literalmente, para Deus e muito mais.

Jônatas


Diário de Casamento – Noivado


Autor: Eubalena ~ 29 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.


Noivado é o tempo para refletir se é isso mesmo que queremos:  ficar juntos para sempre. Ao mesmo tempo é o período que mais corremos para os preparativos de casamento. Conheço pessoas que ficaram noivas muito tempo e não deram certo, e pessoas que noivaram um ano e no outro casaram, assim é o nosso caso. Uma coisa que sempre falamos é que o namoro é o tempo de conhecer uma ao outro, o noivado é para aparar as arestas para não levarmos problemas mal resolvidos para o casamento, e isso temos feito. Tem dia que não sei como o Jônatas me aguenta, pois ando muito nervosa e vivo brigando com ele, mas acredito que são as arestas que estamos aparando.

Estou achando muito legal o noivado, apresentar o meu noivo aos conhecidos, receber parabéns por ter alcançado mais uma etapa em minha vida. É estranho, mas no começo não falava “este é Jônatas”, eu falava “este é o meu noivo” e esquecia de falar o nome dele. Gostava de falar, meu noivo o tempo todo, até nas conversas com conhecidos e sem pronunciar o nome dele, até que um dia me perguntaram: Seu noivo não tem nome? Pensem no sem graça que fiquei, a partir daí comecei a me policiar. Mas é muito bom ter alguém ao seu lado, né?

Uma curiosidade que encontrei que fala sobre o significado da aliança: “os egípcios foram os primeiros povos a idealizar as alianças como símbolo do casamento. Por não ter começo nem fim, o círculo significava para eles a eternidade para a qual o casamento fora designado.” Lembrei disso porque no dia do noivado minha sogra falou sobre isso e que deveríamos pensar bem e lembrarmos que não é apenas uma jóia e sim um símbolo do verdadeiro amor.

É bom conhecer melhor a pessoa com a qual você decidiu viver para sempre, para certificar que realmente é ela. Ver se ele deixa a toalha na cama, faz xixi no chão do banheiro, descobrir o que não gosta nele para ver se você consegue aceitar do jeito que é ou deixar para lá. Eu acho que aguento. :)

Antes mesmo do noivado já estava pensando em começar a procurar prestadores de serviços para a realização de casamento. Em maio/09 teve um Fest Noivas aqui em Brasília e fui só para ter noção do que eu precisava realmente no casamento. Nossa, ficava encantada com cada estande que passava. Vestidos, fotógrafos, decoração, buffets, doceiras, cerimoniais, até exame pré-nupcial tinha… Fiquei louca e queria tudo que via, mas não dava pra fazer orçamento porque a data que já imaginávamos era muito longe e eles não tinham agenda ainda. E como sou afobada, queria estar com tudo resolvido e ir pagando aos pouco, mas cortaram as minhas asinhas, hihihih. Deixei para lá essa história de procurar as coisas para o casamento para o próximo ano (2010), pois assim conseguiria parcelar e a agenda estaria aberta.

Vocês sabem que mulher não aguenta ficar muito parada, falou que está noiva e já começa a comprar revista de noiva para olhar a tendência dos vestidos, maquiagens, decorações. Pois é eu também faço muito isso, hihihi… Até um livro sobre como preparar um casamento sem estresse já ganhei da minha sogra, e sabe que até está sendo de grande ajuda, tem algumas planilhas para ajudar a orgazinar a lista de convidados, tipo de vestido e véu para dia/noite, etc…

O Jônatas sempre me conta que as colegas dele do trabalho estão dando muito apoio ao nosso casamento, mandam planilhas com valores que fecharam no casamento delas, dão dicas de como fazer uma boa pechincha, até destino para lua de mel. É muito bom ter esse apoio e ajuda. É impressionante o quanto aumenta de um ano para o outro esse tipo de serviço, fico chocada a cada dia que pesquisamos. Mas nada que uma chorada não ajude, né?

Além dos preparativos para o casamento estamos mexendo com a reforma do apartamento do pai dele, onde iremos morar. Pense no estresse duplo que estamos sofrendo. Se fosse apenas eu (a noiva), mas o noivo também anda tenso, é muita coisa para resolver ao mesmo tempo. Mas sei que valerá a pena, pois estamos arrumando o nosso cantinho, deixando tudo a nossa cara, isso tudo graças ao meu sogro que está ajudando com a maior parte.

É Dra. Gertrudes, vou ter que tomar muito suco de maracujá mesmo.

Na próxima semana contarei como andam os preparativos do casamento, mesmo com o tumulto da reforma.

Uma ótima semana a todos, e viva o amor….

Áurea, a noiva.


Diário de Casamento: O NOIVADO – Com a palavra, o noivo!


Autor: Eubalena ~ 22 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.

Eu confesso que já até havia cogitado casar quando em outro relacionamento, mas nunca tive certeza. No entanto, com a Áurea, eu sempre tive certeza que seríamos namorados e que iríamos casar desde as primeiras semanas.

Durante os nossos dois anos de namoro, toda vez que passávamos em frete a uma loja de jóias, a Áurea sempre era imediatamente atraída para a vitrine da mesma como se tivesse sido puxada por um forte imã e eu não conseguia tirá-la de lá até ela ver todo o mostruário. Então, como se diz no ditado “quando não consegue vencê-la, junte-se a ela” eu resolvi também olhar os anéis e colares juntamente com ela e foi numa dessas olhadas que vi um anel muito bonito com o símbolo do amor em japonês encravado nele, o qual imediatamente identifiquei, pois sou super fã de Naruto (Aparece esse símbolo bastante no anime) e não porque sei japonês, apesar de gostar muito da língua.

Passado mais um tempo e de tanto passar nessa loja e babar nesse anel juntamente com o amor de minha vida, decidimos que ele seria a nossa aliança, pois ela é descendente de japoneses e eu gostei muito mesmo do anel. Mas foi depois de eu ter sido chamado para tomar posse em um órgão que tiver de comprar as alianças mesmo, pois havia prometido à futura noiva que iríamos casar quando eu passasse em um concurso.

Dito e feito! Encomendamos as alianças, marcamos o noivado para um mês depois da compra e convidamos a família e os melhores amigos que, em sua maioria, iriam ficar sabendo que seriam nossos padrinhos só na hora mesmo. Fizemos questão de lembrar a todos várias vezes para não faltarem ao evento, pois queríamos dar a notícia a todos de uma vez, só que não contávamos com um imprevisto.

Acontece que a loja de jóias só poderia entregar as alianças personalizadas um mês depois da compra, o que nos deixou bem aflitos (mais a ela do a mim), pois poderíamos não recebê-las a tempo para o noivado. Pois bem, na semana do noivado não é que as alianças ainda não haviam chegado de São Paulo, onde foram confeccionadas? Nesse momento vocês mulheres, podem até imaginar a aflição da quase noiva,né? Era toda hora ligando na loja pra saber se as alianças já tinham chegado, tanto que a vendedora já tinha até separado um par de alianças do nosso tamanho (se bem que do tamanho da dela ninguém tem!) para não fazer feio perante a família e amigos.

Felizmente, depois de muita espera na véspera do noivado recebemos a ligação da loja para irmos pegá-las. Foi muito bom ver o sorrisão dela de felicidade quando chegamos lá e finalmente experimentamos as tão esperadas alianças.

A partir daí foi tudo tranquilo, para ela, pois eu não sabia que teria que fazer um discurso convincente no momento da troca de alianças e tive que improvisar na hora contando um pouco do que contei até aqui para vocês e até brinquei com o inacreditável tamanho oito do dedo dela.

Pelo visto todos gostaram, pois muitos ainda emendaram o meu discurso avisando que a vida de casados não é nada fácil, mas nos desejando muitas felicidades na maior jornada de nossas vidas.

Jônatas


DIÁRIO DE CASAMENTO – “O Namoro”


Autor: Eubalena ~ 17 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.

Namorados

Vou contar lhes agora, resumidamente, o que aconteceu durante o namoro até o dia do nosso noivado.

Bom, durante o namoro foi um pouco conturbado, eu não queria apresentar aos meus pais o Jônatas e nem queria dizer que estava namorando porque não tinha certeza se daria realmente certo. Então tinha que inventar desculpas para encontrá-lo.

Uma semana depois do pedido de namoro pensei em terminar, achando que ele não tinha nada a ver comigo, que nossos gostos eram totalmente diferentes e que não me sentia bem por não contar aos meus pais, mas pensei e falei com Deus: “seja o que o Senhor quer. Se for para o meu bem, ajude-me a cultivar e conquistar esse amor, senão, por favor, mostre-me para não magoar-me mais”. E graças a Deus mostrou-me que ele é o homem da minha vida.

Chegou ao ponto que meu pai não deixou que eu saísse com o Jônatas para dançar com medo de que algo acontecesse comigo, fiquei tão chateada com aquilo que chorei de raiva. Depois de um tempo e de muita conversa com o Jônatas concordamos que eu contaria a meus pais sobre o nosso namoro. Sentei-me com meus pais no quarto e contei. Falei como Jônatas era uma pessoa bacana e que um dia iria apresentar lhes. No dia seguinte, combinei encontrar o Jônatas no shopping e meus pais foram para conhecê-lo, (detalhe: não contei ao Jônatas que ira apresentar meus pais a ele), quando nos encontramos apresentei-os.

Pense no clima chato que ficou, porque eu não contei a ele antes para preparar o espírito. Mas deu certo, graças a Deus. Minha mãe sempre ligava para saber meus passos (coisas de mãe) até pouco tempo antes do noivado. Foi muito difícil, mas vencermos essa fase.

Um belo dia recebi um scrap de uma amiga que me perguntava se o meu namorado era realmente o Jônatas. Fiquei desesperada, achando que ela tinha uma bomba para contar sobre ele. E para minha surpresa e alívio, descobri que a família dela e amicíssima da família dele, assim como é da minha também, veio em minha mente: “Ufa! Essa passou perto”. Depois que meus pais souberam que a família dele conhecia a família dessa amiga, relaxaram um pouco mais.

E o dia que conheci minha sogra. Nossa! Que medo dela não gostar de mim (acho que toda mulher passa por isso), de que eu não seria a mulher certa para o filho, tudo mais. Mas para a minha sorte deu tudo certo, nos afeiçoamos de cara. Passou-se um tempo, conheci meu sogro. Não fiquei tão preocupada como fiquei com minha sogra, porém ela já havia conquistado.

Depois de um ano e meio de namoro começamos a cogitar ficarmos noivos. Já olhando as alianças para o noivado, decidindo quem seriam os padrinhos do casamento e tudo mais.

Como sou apressadinha, os padrinhos já estavam definidos pela minha parte.  Só faltava o noivo conseguir um emprego fixo, vida de nutricionista em Brasília não é fácil. Com a convocação do Jônatas a apresentar-se no Ministério para fazer parte do quadro de funcionários e eu com meu emprego daria para levar a diante. Conversamos com nossas famílias, para anunciar que ficaríamos noivos em setembro de 2009, sem data prevista, pois aguardávamos a chegada dos meus sogros da cidade onde residem. Como dia 06/09/2009 tinha um casamento para ir e dia 07/09/2009 os sogros já estariam pegando a estrada cedo, marcamos o noivado para o dia 05/09/2009, chamamos os padrinhos e amigos mais chegados para a ocasião. Foi o momento mais feliz da minha vida, até o momento. Na hora do pedido ficamos um pouco perdidos, pois não havíamos planejado nada, mas valeu a pena. Todos falaram um pouco, meus pais, os pais dele, alguns padrinhos, fiz uma força danada para não chorar de emoção. Ouvir o apoio e o carinho que todos tinham com a gente, foi maravilhoso.

Desde o começo do namoro sempre deixei claro que o casamento não é apenas flores e que também teríamos que enfrentar tempestades (assim como enfrentamos até hoje), mas caberá a nós unirmos para superá-las. Somos criados diferentes, temos manias e jeitos diferentes de pensar e resolver algo, mesmo com tantas diferenças, conseguimos encontrar nossa igualdade.

Confesso que não sou muito de conversar, expor o que sinto ou esteja pensando (na maioria das vezes, coisas ruins), meu lado oriental faz com que pensemos melhor antes de falar e às vezes guardamos da pessoa e assim ela nunca saber. E o Jônatas tem esse lado bom, sempre me incentiva a falar o que penso, mesmo não querendo, e no fim das contas sempre entramos em um consenso. Brigas? Sempre temos e sempre tentamos resolver sem ter que lavar a roupa suja na frente dos outros. E quem não briga hoje? Só não podemos deixar extrapolar, deixar o desrespeito tomar conta de tudo. Tenho aprendido muito com ele e sei que ele também tem aprendido comigo.

Acho que casamento é isso, a cumplicidade, o respeito mútuo, o batalhar para construirmos uma família descente, entender a opinião do outro, passar por dificuldades e conseguir achar uma solução juntos. Como uma das madrinhas disse no meu noivado: “É comer um saco de sal juntos todos os dias, difícil no começo, mas você acostuma e encontra outras maneiras diferentes de saborear o sal, mas sempre juntos.” É bem por aí. Graças a Deus, temos dois casais como exemplo de um casamento em nossas vidas, nossos pais. E são neles que buscamos espelhar.

Áurea Midori, a noiva


Tipos de Mães no Orkut


Autor: Eubalena ~ 3 de março de 2010. Categorias: Cantinho das Monas, Mona em Família.

Assim que engravidei entrei no Orkut e comecei a frequentar comunidades de mães.

Eu que estava sozinha em uma cidade diferente e longe da família, aprendi muita coisa por ali.
Em comunidades de mães se conversa sobre tudo. Desde o tipo de parto, pega na amamentação, até a melhor marca de fralda. Fora a fofoca que rola intensamente.

Durante esses quase 6 anos que frequento o local pude observar e classificar as mães que participam do Orkut, entre elas, posso citar:

1. Mãe Nossa Senhora: aquela que se compadece da dor dos filhos de todas as outras mães aproveitando para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

2. Cyber Mãe: aquela que passa o dia inteiro no computador, o filho se cria praticamente sozinho e, mesmo assim, ela aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

3. Pitmãe: a que se mete em brigas para defender toda e qualquer criança indefesa e aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

4. Mãe médico de família: conhece todos os sintomas de todas doenças, medica, faz pejelança e aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

5. Mãe Isso que é mulher: é uma dona de casa perfeita. Lava, passa, cozinha, faz jardinagem, tem o os filhos mais bem educados e engomados e ainda é uma mulher capaz de satisfazer todo apetite sexual do esposo, que geralmente é bonito e perfeito e claro, aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

6. Mãe é comigo?: completamente paz e amor, os filhos são criados livres, impondo suas vontades. Ela nunca sabe o que e por que aconteceu mas sempre aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

7. Mãe poderosa: Não importa o que acontece com o filho agora. O importante é que ele nasceu da maneira correta e aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

8. Mãe meu pronto socorro é aqui: O filho cai da laje, de cabeça, e ela deixa o menino lá para correr pro Orkut e perguntar o que deve fazer. Fica minutos dando Up no post e perguntando: alguém? alguém? Mas, entre uma espiada no guri estatelado na laje e outra, ela aproveita para mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

9. Mãe PHD: sabe tudo de absolutamente tudo e sempre oferece os conselhos sobre o jeito certo de fazer qualquer coisa, desde amamentação até como lavar meia branca. E nunca esquece de mostrar o quanto é uma mãe melhor que as outras.

10. Mãe Barbie: corre, faz academia, lipo, limpeza de pele, se veste sempre na última moda, coloca silicone, tira costelas. O programa preferido com a filha (porque mãe Barbie não tem filhos) é fazer compras ou levar a menina para o salão. E ensinar a menina a, quando crescer, ser uma mãe melhor que as outras, assim como ela.

11. Mãe Amo Minha Kodak: posta todas as fotos da criança do que diz respeito a ela. Sempre lembrando que é mãe muito melhor que as outras.

12. Mãe São Tomé: Portadora de uma total ausência de noção, é aquela que posta e mostra. O cocô do filho ta mole? Tá lá a foto para mostrar. A cicatriz da cesária virou uma bola? Toma foto! Claro, ela também é uma mãe muito melhor que as outras.

13. Mãe Enfoderada: Que reúne todas as melhores e mais nobre qualidades. Aquela que não precisa dizer que é melhor que as outras porque ela já sabe que é e pronto! Apesar de não ouvir a torcida contra.

Qual desses tipos de mãe eu sou? Bom, eu não me encaixo em nenhuma delas… Até que inventem a categoria mãe perfeita.

Beijos Orkutianos
Euba


Diário de Casamento: Conhecendo o Pretendente


Autor: Eubalena ~ 2 de março de 2010. Categorias: Cantinho das Monas.

Ah, o amor! Esse sentimento que nos transforma e nos faz querer transformar o mundo…

Num momento explícito de paixão, o Monalisa de Pijamas tem o prazer de apresentar a mais nova coluna:
Diário de Casamento

Vamos acompanhar a preparação do casamento de Jônatas e Áurea.

Toda semana eles irão nos presentear com um pouco da sua história, seus momentos, a decisão de casar e tudo sobre os preparativos para este grande passo na vida de uma casal apaixonado!

Com vocês:

DIÁRIO DE CASAMENTO

estamos noivos

Fiquei muito feliz ao receber o convite das meninas do Monacast para partilhar com vocês sobre a trajetória do meu casamento. E como todo começo de história, vamos pelo início, “Conhecendo o pretendente”.

havia um ano que estava sem namorado, quando conheci o Jônatas de um jeito não muito convencional, mas muito comum nos dias de hoje, foi pelo orkut. Na época em questão meu orkut era liberado para todos entrarem, em busca de conhecer gente nova e quem sabe o amor da minha vida, e não é que achei. Ele me achou e entrou em contato através do scrap puxando assunto para ver se colava, e colou, hihihi… Comecei a conversar com ele só pra ver o que ele queria.

Com muita gentileza e cautela, para não espantar a moça, o Jônatas conseguiu minha atenção fazendo com que o adicionasse na minha lista de amizades para não perder contato com ele, e antes mesmo de adicioná-lo, percebi que tínhamos duas amigas em comum, com as quais tentei buscar informações sobre ele e não tive resposta imediata. No dia seguinte trocamos msn (pois é, ainda a era do msn) e não conseguimos parar de nos falar.

Eu até que gostei da conversa dele, mas eu não queria precipitar as coisas, pois sou muito impulsiva e me entrego fácil as armadilhas do coração.

Conversa vai, conversa vem, acabamos trocando telefones e continuamos a conversar depois do trabalho. No sábado daquela semana, marcamos de nos conhecermos pessoalmente e, com medo de ser um truque ou um tarado em potencial, chamei minha irmã e uma amiga para me acompanhar até o encontro com Jônatas, no Burguer King do shopping Pátio Brasil. Pedi para minha irmã ficar um pouco longe, mas não tão longe, pois ainda tinha receio. Confesso que a princípio não achei que iria dar em namoro e que nem iríamos ficar, que iria ser apenas amizade. Mas ao passear um pouco me senti a vontade com ele, infelizmente naquele dia não dava para ficar muito tempo e minha irmã estava me ligando para irmos embora, pois tínhamos outro compromisso. Fui ao encontro dela e minha amiga com o Jônatas ao meu lado nas Americanas, onde apresentei o a elas, de lá ele me puxou para a porta para despedir, relutei para beijá-lo, mas não consegui resistir, ele é muito persistente.

Pensei que iria parar por aí, quando cheguei em casa quem me liga? O Jônatas. Perguntando se eu topava ir ao cinema com ele no dia seguinte  e eu disse que sim. Pensei comigo, vamos ver o que vai dar, e seja o que Deus quiser.

Meus irmãos saíram com amigos enquanto eu saí com ele. Não conseguimos nos largar nesse dia, vimos o filme “O caçador de pipas” juntinhos e acompanhados de um casal amigos dele. No meio do filme recebi o telefonema de uma amiga, que estava com meus irmãos, querendo saber em qual cinema estava e que horas ia terminar o filme para nos encontrar ao final. E assim foi, dei um susto no Jônatas, ele nem imaginava que o povo estava lá esperando para ver quem era o cara que eu estava saindo.

Combinei com meus irmãos que o Jônatas me levaria para casa, e eles acabaram entendendo que eu ia encontrá-los na casa do meu amigo para irmos embora todos junto, uma confusão só. Mas eu queria que o Jônatas me levasse para casa para fazer um teste final, se ele agüentaria ir a minha casa, que fica uns 40 km da dele, mais vezes. Quando chegamos a minha casa ele disse: “Nossa a sua casa é longe. Pensei que não iríamos chegar.” E eu disse: agora você vai desistir de mim. E ele, “até parece que vou”. Ficamos conversando um pouco mais e de repente ele solta: Quer namorar comigo?

Fiquei pasma pensando um monte de coisa, (caramiolas para variar), mas aí parei e disse para mim, “quer saber, vou tentar. Se não der certo, amizade irá ficar”. Era o dia 03/02/2008, semana de carnaval, pensei que iria ser mais um namoro de carnaval, mas acho que me enganei, não imaginei que acharia a tampa da minha panela.

Na próxima semana irei contar o que aconteceu durante o namoro, antes do noivado.

Esperem que gostem.

E tenham uma ótima semana.

Áurea Midori - A Noiva


O Arquipélago – 2ª parte


Autor: Eubalena ~ 25 de janeiro de 2010. Categorias: Cantinho das Monas.

A Ilha do Mimimi Eterno

Também conhecida como a “ilha dos que a gente atura”, é povoada por pessoas com o dom de encontrar algo para reclamar em qualquer situação.

Alguns pesquisadores estudam a forma que o  povo mimizento utiliza para enviar sua reclamação às demais ilhas.  Sua capacidade de alcance de longas distâncias despertou interesse inclusive da NASA, que tenciona usar este dom para o envio de mensagens à povos alienígenas. Economizando assim, milhões em construções de foguetes e sondas espaciais.

O mimizento, em geral, também é conhecido por dominar todas as mais diferentes áreas de conhecimento. Ele sabe como limpar aquela  mancha de vinho tinho do tapete da sala ou como retirar uma tumor no cérebro. Mas nunca consegue realizar nenhuma das funções, já que perde parte do seu tempo reclamando da dificuldade de executá-las, ou de como aquele ali conseguiu e eu não? Ou o que ele tem melhor do que eu? Ou o meu é melhor, eu sou mais rápido… E mimimi, mimimi, mimimi…

A Ilha dos Panos Quentes e A Ilha do Espírito Natalino

A ilha Panos Quentes é vizinha da ilha do Passos Leves. Nesta ilha não há brigas, não há desavenças e não há gente feia.

Lá tudo que possa causar algum tremor que prejudique a ilha vizinha é devidamente apaziguado com panos aquecidos no vulcão que está sempre prestes a entrar em erupção.

Sua deusa Pollyana desdobra-se para encontrar sempre a palavra correta que faça seus fiéis entenderem que a história não é bem assim, que talvez aquela pessoa não seja tão chata quanto parece, ou tão feia, ou tão maldosa… Enfim, nesta ilha todos têm seu lado bom.

Na verdade, a Deusa Pollyana espera que seu povo acabe sendo transferido para a Ilha do Espírito Natalino, onde todo mundo é bom, todo mundo é amável e todos têm paz, paciência e sabedoria em seus corações. Onde doação é o lema.

Mas Pollyana sabe que o espírito natalino nunca durou muito tempo sem seus panos quentes e, inevitavelmente, muitos seguidores ficaram alguns bons anos na ilha da Tolerância Zero.

Aguardem mais notícias do arquipélago.

Beijos

Euba


O Arquipélago – 1ª parte


Autor: Eubalena ~ 3 de janeiro de 2010. Categorias: Cantinho das Monas.

Arquipélago: s.m. palavra grega que significa mar principal. Aplica-se, hoje em dia, a qualquer extensão de água contendo ilhas e, frequentemente, às próprias ilhas.

Existe, entre tantos outros espalhados pelo mundo, um arquipélago especial cujas ilhas foram povoadas por pessoas que apresentavam os mesmo sentimentos, as mesmas reações aos fatos, o mesmo modo de agir e pensar e cada uma dessas ilhas recebeu o nome que caracteriza seu povo.

Um fato curioso deste arquipélago é que novas ilhas surgem constantemente e seus habitantes podem passar a viver nesta ou naquela, dependendo do seu estado emocional. Mas todos, sem uma única exceção, procuram alcançar a graça de viver na ilha mais longínqua do arquipélago, a Ilha da Paz.

Navegando sempre a direita pelo Mar do Relacionamento, rume norte no Rochedo do Monge . Em poucas milhas poderá ser avistada a primeira ilha.

A Ilha do Primeiro Contato

Esta ilha é a maior e mais populosa de todas. Ela é a que recebe e abriga os recém chegados e é moradia eterna daqueles que não costumam aprofundar relacionamentos. Muitos ex-namorados, hoje ainda solteirões, estão por lá. Sem contar a quantidade enorme de filhinhos da mamãe que, sem decidirem se casavam com a moça ou ficavam nas saias maternas, perambulam por lá. Contam os mais velhos que em noites de lua nova é possível ouvir o resmungo de alguns deles quando suas camisas não estão bem passadas.

Na Ilha do Primeiro Contato o importante é fazer amigos, é participar de grupos. Alguns preferem grupos bem pequenos, outros adoram grupos enormes.

Analisando a convivência nessa ilha é que o Conselho do Arquipélago1decide sobre as mudanças, quem vai para onde e por quanto tempo.

1. O Conselho do Arquipélago é formado por pessoas desprovidas dos 5 sentidos, assexuadas e portadoras de um saco de proporções infinitas responsável pelas decisões mais importantes do arquipélago.

Todas as mais diferentes formas de vida podem ser encontradas por lá. Um lugar pitoresco e de grande serventia para o estudo comportamental humano.

A Ilha do Povo Marisco

O povo marisco é caracterizado pela total falta de vontade de saber da existência do próximo. Estando tudo a sua disposição e da maneira que mais lhe agrada, não importa o resto do humanidade. O lema da ilha é “Meu umbigo é meu mundo.”

Inexplicavelmente os moradores desta ilha namoram, casam e até se reproduzem.

A Ilha dos Passos Leves

Os que moram nesta ilha possuem um andar bem peculiar. Sendo o solo da ilha completamente coberto por ovos, cabe a esse pobre povo a difícil tarefa de mantê-los inteiros.

Para o Conselho, a Ilha dos Passos Leves é uma forma de evolução. Pisar em ovos é uma maneira de alcançar a paz interior e a paciência plena para desenvolver a capacidade de não mandar ninguém tomar no cu.

Conheça mais ilhas nos próximos posts.

Beijos

Euba


Não Sou Boneca Inflável


Autor: Eubalena ~ 26 de outubro de 2009. Categorias: Cantinho das Monas.

Indo direito ao ponto: sexo, para mim, só se eu estiver com vontade.

Não consigo ficar lá de boneca inflável, e tampouco quero ser daquelas mulheres que transam preparando a lista de compras ou que, quando o parceiro finalmente termina, ela pensa: off-white! Vou mandar pintar o teto de off-white.

Não! Comigo não funciona assim. Sexo tem de ser entrega total dos dois. Também não sou adepta ao sexo do eu sozinho. Não quero ser a protagonista do show. Quero ter meu parceiro comigo o tempo todo e não que ele sirva como um mero acompanhante do pênis. Quero um parceiro completo: cabeça, tronco e membros.

Sexo bom é a dois e os dois juntos, na mesma sintonia.

Sexo bom tem de ter começo, meio e fim. Começar com um beijo na nuca e terminar dormindo de mãos dadas… E continuar  te vestindo um  belo sorriso nos lábios pela manhã.

Sexo de boneca inflável não tem beijo na boca. Sexo de boneca inflável não tem calor, não tem cheiro, não tem som, não tem cor.

E sexo bom é o que te faz gargalhar e ficar com vergonha dos vizinhos no outro dia: “Será que alguém ouviu?”

Sexo bom não precisa ter posições mirabolantes, gel, mel, frutas e todo o cardápio disponível.

Sexo bom pode ser o trivial, o velho prato do dia-a-dia. Aquela comidinha caseira honesta e confiável.

Mas e o temperinho? Tempero sempre é bom e necessário. Mas devemos lembrar que pimenta demais queima a língua e acaba com a festa.

Mas isso não é regra, afinal o meu sexo perfeito pode não ser o teu. O meu pode seguir a risca o manual lacrado de sexo da revista feminina e o teu ser só o que a Santa Igreja permite.

Entretanto os dois serão ótimos desde que quem estiver nele esteja nele mesmo. Desde que os parceiros sejam realmente parceiros (mesmo sendo a primeira vez que se encontram.)

Enfim, sexo bom é aquele que te faz saber para qual cama queres voltar.

Mas nunca esqueça a camisinha!

Euba.





Busca

© 2007-2019 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br