Porque fazer humor e podcast é uma arte

































Diário de casamento – Fechando contrato com o Buffet.


Autor: Eubalena ~ 27 de agosto de 2010. Categorias: Sem categoria.

Como comentei com vocês, a melhor parte do casamento é a degustação da comida, seja um jantar ou um coquetel. Pois bem, conseguimos enfim fechar o buffet, não faremos mais jantar e sim um coquetel apenas para família e padrinhos.

O primeiro contato que tive com o buffet foi através do site e lá encontrei o e-mail para pedir um orçamento. Desde o primeiro momento fui bem recepcionada, troquei e-mail com a secretaria Rosa a qual me respondeu a todos e ligou para marcarmos uma degustação. Eu disse a ela que veria depois, pois precisávamos fechar com a igreja primeiro, para garantir a data do casamento. Logo que fechamos com a igreja mandei um e-mail dizendo que gostaríamos de fazer a degustação, poucas horas depois a Rosa me ligou. Acho importante a presteza do atendimento, me transmitiram muita confiança com essa atitude.

No dia da degustação fomos muito bem atendidos pela dona do buffet, Helena, que justamente leva o nome dela. Primeiramente contou-nos que é de Ribeirão Preto/SP, onde a família já tem um buffet há 21 anos, super conceituado lá. E como veio morar aqui em Brasília resolveu abrir aqui também. A Helena é uma flor de pessoa, muito atenciosa, carinhosa, cuidadosa e muito bem humorada.

A comida, hummm, só de pensar dá água na boca, muito bem feita e deliciosa. Saí de lá maravilhada com a diversidade de salgados e sucos, que o meu favorito foi o de cajá-mirim, nunca tinha bebido e nem escutado o nome dessa fruta.

Disse também que irá pessoalmente ao nosso evento fiscalizar e nos atender da melhor maneira possível. Procura não realizar dois eventos na mesma data de modo a prezar pela qualidade do serviço, isso para mim foi primordial na decisão. E decidimos que seria ela que faria o nosso coquetel.

Aí passamos para a minha sogra a nossa decisão que ficaríamos com o Helena Buffet, pois foi indicação dela. Ela ficou super feliz e logo pediu-nos para fechar tudo. Mas quando mostrei o orçamento a minha mãe, achou um pouco caro, mesmo eu mostrando o valor de outros buffets com quase o dobro do valor do Helena Buffet. Tentei convencê-la de que era muito bom e que minha sogra tinha concordado. Aí minha mãe pediu para que eles fossem comigo para conhecê-la e conversar sobre o trabalho. Marquei de ir ao buffet com meus pais no dia do jogo da Alemanha X Argentina, meu pai quase não foi porque ele queria ver, mas precisávamos definir se ficaríamos com o buffet ou não, então ele foi, mas o Jônatas não foi pelo mesmo motivo. Bom, fomos lá e minha mãe conheceu a Helena, tirou dúvidas, chegamos até a degustar e ficou convencida de fazermos com ela, neste dia fechamos contrato e saí de lá feliz e satisfeita. Depois de tudo, meu pai chegou até mim e disse que tinha gostado tanto do atendimento quanto dos salgados e que estava feliz por acharmos um buffet muito bom.

Não tenham medo de pesquisar, pedir orçamentos, negociar bastante, degustar em todos os buffets se necessário, pois valerá a pena no final. Nada melhor que fazer do seu jeito, do seu gosto, além do mais será um momento único na sua vida e precisa ser o melhor, que você puder arcar.

Áurea – A noiva.


Diário de Casamento – Despedida de Solteira


Autor: Eubalena ~ 26 de maio de 2010. Categorias: Cantinho das Monas.

Uma das partes mais divertidas nos preparativos do casamento é a despedida de solteiro. Hoje em dia temos uma variedade de estilos para tal despedida as quais são muito divertidas. Há muito tempo se falava apenas em chá de panela (ou chá de cozinha) para as mulheres, mas hoje mudou esse conceito, temos também o chamado “chá de lingerie” que tem agradado a todas.

Quem não gosta de ganhar uma lingerie para agradar o seu amado, ainda mais para um momento tão especial que é a noite de núpcias?

Para quem não conhece o chá de lingerie irei explicar, mais ou menos, pois nunca fui a um e sei por relatos de amigas. Pode ser realizado na casa da noiva, em um salão alugado, ou até mesmo na loja que oferece tal serviço, a noiva pode fazer também uma lista de itens que quer ganhar ou a loja onde fará o chá colocará a disposição das amigas da noiva comprar lá mesmo. No chá é realizado brincadeiras, como no chá de panela, temos palestras sobre como seduzir nosso companheiro e apimentar a relação para não cair na rotina, tem até aulinha de striptease. Em alguns casos, contratam stripers para animar mais a festa. É totalmente vedada a entrada de homens, a não ser os stripers, na festa. Então imaginem como não é divertida e o quanto podemos nos soltar, com todo respeito.

Uma amiga do Jônatas e dona de uma loja de lingerie que oferece esse serviço e fomos conhecê-la e ver o que ela tinha para oferecer. A Maria Juliana nos contou que sempre faz esse tipo de evento para as noivas e elas adoram, até voltam levando outras amigas para fazer o chá lá e até mesmo para comprar novas lingeries e ver novos cursos para se matricularem. Ela mostrou-nos a sessão sex que ela oferece, materiais de todo o tipo, vai de fantasias para ambos até velas que não queimam o corpo e são comestíveis, tudo para dar uma animada na relação e não deixar cair na rotina.

Ela contou uma novidade que está nos planos para um futuro bem próximo. Ela está preparando uma casa para a realização dos eventos, para as palestras, despedida de solteira, com direito a massagem relaxante, brincadeiras, garçons com apenas tanguinhas para aliviar nossos olhos de tanta mulherada junto, tem tudo para fazer sucesso. Para quem se interessou os contatos da loja dela encontrasse no site http://santaousadia.com.br/, ela é uma pessoa maravilhosa, eu recomendo.

Já o tradicional chá de panela (ou chá de cozinha) pode-se realizar só com a noiva ou com os dois. Hoje em dia o casal opta por fazer juntos, assim economiza para a lua de mel. Tem a famosa lista de itens que precisa para completar a cozinha, as brincadeiras elaboradas pela família e padrinhos dos noivos, muita comida e bebidas. Claro que as brincadeiras os noivos não podem elaborar, senão que graça teria as prendas. Além de ser muito bom ganhar presentes o que mais importa é a reunião de amigos e famílias de ambas as partes se divertirem e compartilharem um momento tão especial.

Ainda não me decidi o que farei para minha despedida, estou pensando em seriamente em fazer as duas, hihihi, senão ficar muito caro.

Áurea – a noiva


Diário de Casamento: Preparativos de casamento – Os Buffets


Autor: Eubalena ~ 19 de abril de 2010. Categorias: Mona em Família.

Finalmente chegamos ao ponto onde, creio eu, a grande maioria das mulheres estava esperando…Os preparativos! Eu realmente aprendi muito e ainda estou aprendendo com essa correria insana que são os preparativos de casamento. Só o fato de eu saber como se escreve “Buffet” e ainda falar ao jeito francês já é algo que só homem nesta fase sabe fazer.

Pois bem, hoje eu vou falar da parte mais legal (pelo menos para mim!) dos preparativos, o Buffet. Para quem não sabe, as empresas de Buffet fazem de tudo para te conquistar, mesmo porque é a parte mais cara do casamento, você chega a pagar mais de 50 reais por pessoa do casamento aqui em Brasília, e por isso eles ficam bem felizes em poder te convidar para as “degustações”.

Eu coloquei a palavra degustações entre aspas porque na verdade é um verdadeiro banquete. Como eu e Midori estamos na época de nossas vidas em que somos convidados para muitos casamentos, nós já tínhamos um Buffet que queríamos ver e então marcamos a degustação em um dia que haveria casamento em um salão de Brasília, mas não esperávamos comer tanto. Para terem uma idéia só de couvert (acho que se escreve assim) que são as entradas, por assim dizer, eu e minha noiva tivemos que comer mais de 30! Isso mesmo..30! E não bastasse isso, depois de comer das coisas mais gostosas e mais estranhas também, veio o jantar! Neste ponto a Midori, que não é de comer muito (vocês viram a foto dela) já não estava mais aguentando e eu, bravamente, fui pegar o jantar, que também é uma delícia, mas quase que explodi de comer.

Ao fim, para você sair bem feliz (ou triste!), você ainda leva uma dezena de bombons de todos os tipos e sabores imaginados, mas claro, terá que deixar para experimentá-los no dia seguinte, a não ser que você seja o Dudu Sales ou algo assim.

Com isso acho que vocês (os gordinhos?) puderam perceber porque eu gosto mais dessa etapa, né? Mas deixo aqui uma dica: alterne a comilança dos couverts com sua amada, um vez ela, a outra vez, você; e assim vai, porque senão é capaz de acabarem a noite mais triste do que feliz.

Detalhe, nós já fomos a duas degustações e ainda não decidimos qual contratar, por isso muitas degustações ainda virão e eu continuarei descrevendo esta orgia gastronômica  nas próximas colunas, ainda bem! =D

PS: Quem é de Brasília e não sabe por onde começar as contratações do casamento eu recomendo o site http://www.acessoeventos.com.br onde tem tudo o que você vai precisar.

Jônatas – O noivo


Diário de Casamento – Noivado


Autor: Eubalena ~ 29 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.


Noivado é o tempo para refletir se é isso mesmo que queremos:  ficar juntos para sempre. Ao mesmo tempo é o período que mais corremos para os preparativos de casamento. Conheço pessoas que ficaram noivas muito tempo e não deram certo, e pessoas que noivaram um ano e no outro casaram, assim é o nosso caso. Uma coisa que sempre falamos é que o namoro é o tempo de conhecer uma ao outro, o noivado é para aparar as arestas para não levarmos problemas mal resolvidos para o casamento, e isso temos feito. Tem dia que não sei como o Jônatas me aguenta, pois ando muito nervosa e vivo brigando com ele, mas acredito que são as arestas que estamos aparando.

Estou achando muito legal o noivado, apresentar o meu noivo aos conhecidos, receber parabéns por ter alcançado mais uma etapa em minha vida. É estranho, mas no começo não falava “este é Jônatas”, eu falava “este é o meu noivo” e esquecia de falar o nome dele. Gostava de falar, meu noivo o tempo todo, até nas conversas com conhecidos e sem pronunciar o nome dele, até que um dia me perguntaram: Seu noivo não tem nome? Pensem no sem graça que fiquei, a partir daí comecei a me policiar. Mas é muito bom ter alguém ao seu lado, né?

Uma curiosidade que encontrei que fala sobre o significado da aliança: “os egípcios foram os primeiros povos a idealizar as alianças como símbolo do casamento. Por não ter começo nem fim, o círculo significava para eles a eternidade para a qual o casamento fora designado.” Lembrei disso porque no dia do noivado minha sogra falou sobre isso e que deveríamos pensar bem e lembrarmos que não é apenas uma jóia e sim um símbolo do verdadeiro amor.

É bom conhecer melhor a pessoa com a qual você decidiu viver para sempre, para certificar que realmente é ela. Ver se ele deixa a toalha na cama, faz xixi no chão do banheiro, descobrir o que não gosta nele para ver se você consegue aceitar do jeito que é ou deixar para lá. Eu acho que aguento. :)

Antes mesmo do noivado já estava pensando em começar a procurar prestadores de serviços para a realização de casamento. Em maio/09 teve um Fest Noivas aqui em Brasília e fui só para ter noção do que eu precisava realmente no casamento. Nossa, ficava encantada com cada estande que passava. Vestidos, fotógrafos, decoração, buffets, doceiras, cerimoniais, até exame pré-nupcial tinha… Fiquei louca e queria tudo que via, mas não dava pra fazer orçamento porque a data que já imaginávamos era muito longe e eles não tinham agenda ainda. E como sou afobada, queria estar com tudo resolvido e ir pagando aos pouco, mas cortaram as minhas asinhas, hihihih. Deixei para lá essa história de procurar as coisas para o casamento para o próximo ano (2010), pois assim conseguiria parcelar e a agenda estaria aberta.

Vocês sabem que mulher não aguenta ficar muito parada, falou que está noiva e já começa a comprar revista de noiva para olhar a tendência dos vestidos, maquiagens, decorações. Pois é eu também faço muito isso, hihihi… Até um livro sobre como preparar um casamento sem estresse já ganhei da minha sogra, e sabe que até está sendo de grande ajuda, tem algumas planilhas para ajudar a orgazinar a lista de convidados, tipo de vestido e véu para dia/noite, etc…

O Jônatas sempre me conta que as colegas dele do trabalho estão dando muito apoio ao nosso casamento, mandam planilhas com valores que fecharam no casamento delas, dão dicas de como fazer uma boa pechincha, até destino para lua de mel. É muito bom ter esse apoio e ajuda. É impressionante o quanto aumenta de um ano para o outro esse tipo de serviço, fico chocada a cada dia que pesquisamos. Mas nada que uma chorada não ajude, né?

Além dos preparativos para o casamento estamos mexendo com a reforma do apartamento do pai dele, onde iremos morar. Pense no estresse duplo que estamos sofrendo. Se fosse apenas eu (a noiva), mas o noivo também anda tenso, é muita coisa para resolver ao mesmo tempo. Mas sei que valerá a pena, pois estamos arrumando o nosso cantinho, deixando tudo a nossa cara, isso tudo graças ao meu sogro que está ajudando com a maior parte.

É Dra. Gertrudes, vou ter que tomar muito suco de maracujá mesmo.

Na próxima semana contarei como andam os preparativos do casamento, mesmo com o tumulto da reforma.

Uma ótima semana a todos, e viva o amor….

Áurea, a noiva.


Diário de Casamento: O NOIVADO – Com a palavra, o noivo!


Autor: Eubalena ~ 22 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.

Eu confesso que já até havia cogitado casar quando em outro relacionamento, mas nunca tive certeza. No entanto, com a Áurea, eu sempre tive certeza que seríamos namorados e que iríamos casar desde as primeiras semanas.

Durante os nossos dois anos de namoro, toda vez que passávamos em frete a uma loja de jóias, a Áurea sempre era imediatamente atraída para a vitrine da mesma como se tivesse sido puxada por um forte imã e eu não conseguia tirá-la de lá até ela ver todo o mostruário. Então, como se diz no ditado “quando não consegue vencê-la, junte-se a ela” eu resolvi também olhar os anéis e colares juntamente com ela e foi numa dessas olhadas que vi um anel muito bonito com o símbolo do amor em japonês encravado nele, o qual imediatamente identifiquei, pois sou super fã de Naruto (Aparece esse símbolo bastante no anime) e não porque sei japonês, apesar de gostar muito da língua.

Passado mais um tempo e de tanto passar nessa loja e babar nesse anel juntamente com o amor de minha vida, decidimos que ele seria a nossa aliança, pois ela é descendente de japoneses e eu gostei muito mesmo do anel. Mas foi depois de eu ter sido chamado para tomar posse em um órgão que tiver de comprar as alianças mesmo, pois havia prometido à futura noiva que iríamos casar quando eu passasse em um concurso.

Dito e feito! Encomendamos as alianças, marcamos o noivado para um mês depois da compra e convidamos a família e os melhores amigos que, em sua maioria, iriam ficar sabendo que seriam nossos padrinhos só na hora mesmo. Fizemos questão de lembrar a todos várias vezes para não faltarem ao evento, pois queríamos dar a notícia a todos de uma vez, só que não contávamos com um imprevisto.

Acontece que a loja de jóias só poderia entregar as alianças personalizadas um mês depois da compra, o que nos deixou bem aflitos (mais a ela do a mim), pois poderíamos não recebê-las a tempo para o noivado. Pois bem, na semana do noivado não é que as alianças ainda não haviam chegado de São Paulo, onde foram confeccionadas? Nesse momento vocês mulheres, podem até imaginar a aflição da quase noiva,né? Era toda hora ligando na loja pra saber se as alianças já tinham chegado, tanto que a vendedora já tinha até separado um par de alianças do nosso tamanho (se bem que do tamanho da dela ninguém tem!) para não fazer feio perante a família e amigos.

Felizmente, depois de muita espera na véspera do noivado recebemos a ligação da loja para irmos pegá-las. Foi muito bom ver o sorrisão dela de felicidade quando chegamos lá e finalmente experimentamos as tão esperadas alianças.

A partir daí foi tudo tranquilo, para ela, pois eu não sabia que teria que fazer um discurso convincente no momento da troca de alianças e tive que improvisar na hora contando um pouco do que contei até aqui para vocês e até brinquei com o inacreditável tamanho oito do dedo dela.

Pelo visto todos gostaram, pois muitos ainda emendaram o meu discurso avisando que a vida de casados não é nada fácil, mas nos desejando muitas felicidades na maior jornada de nossas vidas.

Jônatas


DIÁRIO DE CASAMENTO – “O Namoro”


Autor: Eubalena ~ 17 de março de 2010. Categorias: Mona em Família.

Namorados

Vou contar lhes agora, resumidamente, o que aconteceu durante o namoro até o dia do nosso noivado.

Bom, durante o namoro foi um pouco conturbado, eu não queria apresentar aos meus pais o Jônatas e nem queria dizer que estava namorando porque não tinha certeza se daria realmente certo. Então tinha que inventar desculpas para encontrá-lo.

Uma semana depois do pedido de namoro pensei em terminar, achando que ele não tinha nada a ver comigo, que nossos gostos eram totalmente diferentes e que não me sentia bem por não contar aos meus pais, mas pensei e falei com Deus: “seja o que o Senhor quer. Se for para o meu bem, ajude-me a cultivar e conquistar esse amor, senão, por favor, mostre-me para não magoar-me mais”. E graças a Deus mostrou-me que ele é o homem da minha vida.

Chegou ao ponto que meu pai não deixou que eu saísse com o Jônatas para dançar com medo de que algo acontecesse comigo, fiquei tão chateada com aquilo que chorei de raiva. Depois de um tempo e de muita conversa com o Jônatas concordamos que eu contaria a meus pais sobre o nosso namoro. Sentei-me com meus pais no quarto e contei. Falei como Jônatas era uma pessoa bacana e que um dia iria apresentar lhes. No dia seguinte, combinei encontrar o Jônatas no shopping e meus pais foram para conhecê-lo, (detalhe: não contei ao Jônatas que ira apresentar meus pais a ele), quando nos encontramos apresentei-os.

Pense no clima chato que ficou, porque eu não contei a ele antes para preparar o espírito. Mas deu certo, graças a Deus. Minha mãe sempre ligava para saber meus passos (coisas de mãe) até pouco tempo antes do noivado. Foi muito difícil, mas vencermos essa fase.

Um belo dia recebi um scrap de uma amiga que me perguntava se o meu namorado era realmente o Jônatas. Fiquei desesperada, achando que ela tinha uma bomba para contar sobre ele. E para minha surpresa e alívio, descobri que a família dela e amicíssima da família dele, assim como é da minha também, veio em minha mente: “Ufa! Essa passou perto”. Depois que meus pais souberam que a família dele conhecia a família dessa amiga, relaxaram um pouco mais.

E o dia que conheci minha sogra. Nossa! Que medo dela não gostar de mim (acho que toda mulher passa por isso), de que eu não seria a mulher certa para o filho, tudo mais. Mas para a minha sorte deu tudo certo, nos afeiçoamos de cara. Passou-se um tempo, conheci meu sogro. Não fiquei tão preocupada como fiquei com minha sogra, porém ela já havia conquistado.

Depois de um ano e meio de namoro começamos a cogitar ficarmos noivos. Já olhando as alianças para o noivado, decidindo quem seriam os padrinhos do casamento e tudo mais.

Como sou apressadinha, os padrinhos já estavam definidos pela minha parte.  Só faltava o noivo conseguir um emprego fixo, vida de nutricionista em Brasília não é fácil. Com a convocação do Jônatas a apresentar-se no Ministério para fazer parte do quadro de funcionários e eu com meu emprego daria para levar a diante. Conversamos com nossas famílias, para anunciar que ficaríamos noivos em setembro de 2009, sem data prevista, pois aguardávamos a chegada dos meus sogros da cidade onde residem. Como dia 06/09/2009 tinha um casamento para ir e dia 07/09/2009 os sogros já estariam pegando a estrada cedo, marcamos o noivado para o dia 05/09/2009, chamamos os padrinhos e amigos mais chegados para a ocasião. Foi o momento mais feliz da minha vida, até o momento. Na hora do pedido ficamos um pouco perdidos, pois não havíamos planejado nada, mas valeu a pena. Todos falaram um pouco, meus pais, os pais dele, alguns padrinhos, fiz uma força danada para não chorar de emoção. Ouvir o apoio e o carinho que todos tinham com a gente, foi maravilhoso.

Desde o começo do namoro sempre deixei claro que o casamento não é apenas flores e que também teríamos que enfrentar tempestades (assim como enfrentamos até hoje), mas caberá a nós unirmos para superá-las. Somos criados diferentes, temos manias e jeitos diferentes de pensar e resolver algo, mesmo com tantas diferenças, conseguimos encontrar nossa igualdade.

Confesso que não sou muito de conversar, expor o que sinto ou esteja pensando (na maioria das vezes, coisas ruins), meu lado oriental faz com que pensemos melhor antes de falar e às vezes guardamos da pessoa e assim ela nunca saber. E o Jônatas tem esse lado bom, sempre me incentiva a falar o que penso, mesmo não querendo, e no fim das contas sempre entramos em um consenso. Brigas? Sempre temos e sempre tentamos resolver sem ter que lavar a roupa suja na frente dos outros. E quem não briga hoje? Só não podemos deixar extrapolar, deixar o desrespeito tomar conta de tudo. Tenho aprendido muito com ele e sei que ele também tem aprendido comigo.

Acho que casamento é isso, a cumplicidade, o respeito mútuo, o batalhar para construirmos uma família descente, entender a opinião do outro, passar por dificuldades e conseguir achar uma solução juntos. Como uma das madrinhas disse no meu noivado: “É comer um saco de sal juntos todos os dias, difícil no começo, mas você acostuma e encontra outras maneiras diferentes de saborear o sal, mas sempre juntos.” É bem por aí. Graças a Deus, temos dois casais como exemplo de um casamento em nossas vidas, nossos pais. E são neles que buscamos espelhar.

Áurea Midori, a noiva





Busca

© 2007-2019 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br