Porque fazer humor e podcast é uma arte

































As Princesas da Disney na Vida Real – com Lindsay Lohan, no Saturday Night Live


Autor: Mafalda ~ 4 de outubro de 2012. Categorias: Mona POP.

Os ouvintes do nosso podcast ( o  Monacast) devem lembrar que fizemos um episódio sobre como seria a vida “real” das Princesas da Disney no começo de 2010. Para quem não ouviu e quiser conferir: Monacast 78 – Para Sempre Princesa!

Princesas

Eis que o programa americano Saturday Night Live ( o original americano,  não aquele do Rafinha Bastos!) fez um programa parecido, inspirado em outro programa americano de sucesso: The Real Housewives, que ganhou versão até mesmo no Brasil, com o nome de Mulheres Ricas.

O “Real Housewives of  Disney” tem a participação da garota-problema Lindsay Lohan,  é divertido e fez lembrar na hora das nossas descrições de cada princesa no Monacast 78!

Pena que no Youtube não se encontra o episódio do Saturday Night Live. Consegui achar um “quebra-galho” que fugiu do bloqueio. Também vale a pena conferir os bastidores. :)

Para assistir a versão “quebra-galho”, só no youtube. Mas vale a pena! Confira no link:

http://www.youtube.com/watch?v=xnGjQ8DkLnU&feature=related

E os bastidores:


O novo velho CQC


Autor: Mafalda ~ 20 de março de 2012. Categorias: Sofá da Mona.

A “novela” Rafinha Bastos (e seu comentário infeliz envolvendo a Sra. Wanessa Camargo) ainda nos deixa na expectativa para seus desdobramentos. Um deles estreiou nesta última segunda-feira com a volta do “novo” CQC ao ar.

De imediato, observamos que se optou pelo mais seguro: colocar Oscar Filho na bancada no lugar de Rafinha, dá a segurança de que nenhuma tirada será inconveniente. Oscar Filho opta pelo senso de humor auto depreciativo, recurso muito utilizado, e não representa “perigo” de escorregão. No máximo, o alvo será ele mesmo. A impressão dada na estréia (e que não serve para uma análise maior) é que temos agora dois Marco Luque. Humor de criança, inofensivo (e muitas vezes desnecessário e cansativo, ainda mais pelo horário). Tendo em vista a onda de reações causadas pelo episódio Rafinha, fico me perguntando se os fiéis fãs do programa de fato ficaram satisfeitos com o novo CQC. Tenho minhas dúvidas.

O novo quadro (que substitui o CQTeste de QI) submete um convidado a uma breve entrevista com o monitoramento de um polígrafo (sim, o cara do polígrafo da Márcia Goldsmith arrumou um emprego no CQC). Achei uma furada. É uma fórmula de desgaste rápido. E cá entre nós, não vai pegar ninguém. Por política de conveniência e por sabermos que quem de fato domina a arte de mentir não PE pego nesse tipo de ferramenta. Ou seja, temos um quadro em que poucas surpresas poderão rolar… Tudo super “chapa branca”, sem riscos.

As reportagens de sempre foram ao ar. Entrevistas com políticos no congresso ganharam certa graça com os ares Robocop, mostrando o novo repórter Ronald Rios e sua difícil tarefa de aprender a reconhecer políticos e seus históricos. Ronald Rios é desses caras que já nasceram engraçados. Somado a isso, temos um cara inteligente e despretensioso, menos agressivo até, na abordagem dos figurões. Acho que foi a melhor aquisição dessa  nova fase do programa. Gosto do humorista desde seu Badalhoca que ia ao ar na MTV. O cara tem talento, mas vamos ver se o formato lhe dará liberdade para desenvolvê-lo. Quando ainda era da MTV, Ronald tecia várias críticas ao CQC. Agora contratado do programa, vamos ver se ele pode contribuir para sanar as falhas apontadas no passado.

Ronald Rios e Maurício Meirelles (who?) são as novas caras no novo velho CQC. O estranho no programa de estréia foi observar que todas essas manobras de mudança,  repaginação, novas pessoas e  novos ares, só evidenciou a sombra da ausência de Rafinha e a busca da direção do programa em desassociar a forte imagem deixada pelo ex-integrante.

E você? Gostou das mudanças? Acha que o novo CQC repetirá o sucesso de sempre? Comenta aí!


Cantinho do Castigo para Rafinha Bastos


Autor: Mafalda ~ 11 de outubro de 2011. Categorias: Sofá da Mona.

Se você já assistiu Supernany ou genéricos, sabe que o “cantinho do castigo” é um lugar (desprovido de qualquer distração) em que a criança malcriada deve permanecer, digamos, por alguns minutos (por exemplo, se a criança tem 5 anos, ela fica 5 minutos e assim por diante) até “se acalmar” e depois conversar com o responsável e compreender que o que fez foi inaceitável (palavra usada pela diva Jo Frost, a supernany original).

Assistindo o desenrolar do bafafá de Rafinha Bastos e CQC, devido a uma piada de péssimo gosto proferida pelo jornalista e comediante sobre Wanessa (ex-Camargo) grávida e seu bebê, a sensação que tenho é de que Rafinha acabou indo parar no “cantinho do castigo”. Para piorar ainda mais, basta lembrar que o marido da cantora em questão (Marcus Buaiz) é um dos patrocinadores do programa. Rafinha acabou mordendo a mão que o alimenta… Vixi!

Supernany Jo Frost: “Inaceitável, Rafinha, inaceitável!”

Primeiro veio a Mônica Iozzi, uma simpatia de menina. Ontem, graças ao Dia das Crianças, veio Oscar Filho, já  que é sempre zoado por sua baixa estatura, o que remete ao universo infantil (O que? O bullying?). E semana que vem? Rafael Cortez?
Não aprecio o senso de humor de Rafinha, embora ache algumas de suas tiradas ótimas. É uma questão de química, mais que de inteligência. Notei que ele foi perdendo a mão. Na verdade, foi pesando a mão. Isso não costuma funcionar no Brasil, embora tenhamos muitos comediantes desse tipo (e com sucesso) nos EUA. Brasileiros gostam de rir dos outros, jamais de si mesmos. Gostam de zoar com a mulher dos outros, mas não me venha com piadas envolvendo sua patroa. Curioso, não?

Vídeo com a declaração de Rafinha:

Mais curioso ainda é perceber que o próprio comediante não leva numa boa perguntas sobre suas declarações. Em recente entrevista à Mônica Bérgamo (Folha de São Paulo), ele a mandou (como dizer?) “praticar felação em seu grosso e bem vascularizado órgão genital” (desculpem, foi o melhor que deu pra fazer com a frase original). Por que tamanha grosseria? Porque foi indagado sobre as piadas usadas em seu show envolvendo o ator Fábio Assunção e o comercial da Nextel.

Não sei a idade de Rafinha, mas esse “cantinho do castigo” está bem prolongado para os padrões habituais (se é que existem).  E embora o próprio comediante brinque com o assunto em seu atual show de stand up, divulgou-se agora que Rafinha pediu demissão da BAND. Sim, isso mesmo. Simultaneamente, já começaram os boatos de que já estaria sendo sondado pela Record e pela Rede TV.

Daí eu me pergunto: a gente não vive numa democracia? Não acabou a censura? Tudo bem, a piada é de péssimo gosto e nem engraçada foi, mas… e daí? Obviamente era uma PIADA. Ruim, mas uma piada. Não era uma ameaça, lógico. O episódio do Rafinha me fez parar para pensar que existe sim censura no país. E uma das piores. A censura velada imposta por quem banca as atrações, pelos patrocinadores. Você pode ridicularizar um pobre servidor público no “Proteste Já” (que melhorou MUITO com o comando do Oscar Filho), mas fazer uma piada escrota com a mulher de um de seus chefes não. Resumindo: passo a desconfiar de tudo que é dito agora no programa. E ainda mais sobre o (auto) senso de humor de Rafinha…

E você, leitor? O que achou de todo esse rolo? Escreva pra gente!

Clique no retângulo acima para acessar o blog da Ju Teófilo


Agora é tarde ( Será? )


Autor: Mafalda ~ 27 de setembro de 2011. Categorias: Sofá da Mona.

Deixei passar um tempo a partir da estréia do programa “Agora é tarde” comandado por Danilo Gentili. Reinventar-se e se adaptar a um novo formato é um processo árduo, especialmente para os que se consagraram com uma persona ácida e sarcástica como o caso do apresentador. Então, relevei algumas coisas que não gostei de início e persisti na audiência mais um pouco, para me assegurar de ter uma impressão mais ampla e não apenas uma vaga primeira impressão. Se para Danilo “Agora é tarde”, para mim ainda é tempo de ressaltar alguns pontos (que trocadalho do carilho…).

A fórmula é batida e clichê. Fato. De novo e mais uma vez o combo: banda + um apresentador/entrevistador + quadros de pegadinhas + comentários sobre as notícias atuais. Estou errada ou já vimos tudo isso antes? Acho que sim. Então, conta-se muito com a audiência do público do humorista Danilo Gentili. Danilo insiste em ternos (por que, afinal?) e uma postura menos agressiva, abafando a característica do humor que o fez conquistar fãs pelo país. Na estréia, lembro-me de pensar que ele buscava uma referência: Sílvio Santos? João Gordo? Jô Soares? Datena?! Pensei em vários porque não o reconheci ali em seu próprio papel.

Nunca havia visto um talk-show com tantos “coadjuvantes”. Ultraje a Rigor, Marcelo Mansfield e mais dois humoristas.  Não parece muita gente pra um palco só? Nos programas que vi, achei Marcelo Mansfield (cujo estilo de humor, pessoalmente, me agrada mais) pouco aproveitado. Marcelo Mansfield tem um rastro artístico e cultural bem maior (até pela idade e vivência) que Danilo Gentili. E passa a impressão de ser um supervisor, pronto para intervir caso a peteca caia… Se a intenção não era essa, sinto muito, mas é a sensação que tive. Por muitas vezes, perguntei-me se não seria melhor o Marcelo entrevistar… Acho seu repertório, como já disse, mais amplo e profundo para aproveitar mais os entrevistados e para extrair declarações mais relaxadas, momentos engraçados… Talvez a imagem construída por Danilo Gentili, com tiradas de humor ácido o transforme num “risco” para os entrevistados. Risco de não ser ouvido, de se colocar em posição constrangedora e de não se sentir à vontade.

O principal  “x” da questão no programa são as entrevistas. A lista de convidados é interessante (Peréio, Marília Gabriela, Marta Suplicy entre outros). Tudo a favor. Mas parece não funcionar. Danilo Gentili na posição de apresentador/entrevistador é outra pessoa/persona, que parece não ter ainda acertado no tom e timing. Basta dizer que a cada “tirada” dele ou do entrevistado, insiste-se num infâme toque de bateria (Sim, David Letterman fez escola com essa chatice). Pergunto: precisa? Incomoda-me tanto quanto claquete de risadas. Além disso, repito-me, nenhum entrevistado parece se sentir à vontade (na medida do possível) com Danilo.

Talvez ele próprio perceba tudo isso. Mas tal percepção não soluciona o caso. É visível sua fuga, várias vezes, para a ficha do entrevistado enquanto o mesmo fala. Nervosismo ou falta de preparo? Os entrevistados parecem falar menos. Receio?

A Liga” (BAND) com Rafinha Bastos, a meu ver, emplacou porque houve a sabedoria de estruturar um programa aproveitando o perfil de jornalista investigativo de Rafinha Bastos e sua capacidade de expor situações e realidades distintas (somada à uma equipe e produção impecáveis).
E vocês, o que estão achando do Danilo lá? Agora é tarde para ele ou ainda há chance de melhorar? Mande sua opinião!

Vídeo

Marília Gabriela incrível: “Isso é pra ser sexy?!” uahuhauhauah…


Clique no retângulo acima para acessar o blog da Ju Teófilo





Busca

© 2007-2019 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br