Porque fazer humor e podcast é uma arte

































Agora é tarde ( Será? )


Autor: Mafalda ~ 27 de setembro de 2011. Categorias: Sofá da Mona.

Deixei passar um tempo a partir da estréia do programa “Agora é tarde” comandado por Danilo Gentili. Reinventar-se e se adaptar a um novo formato é um processo árduo, especialmente para os que se consagraram com uma persona ácida e sarcástica como o caso do apresentador. Então, relevei algumas coisas que não gostei de início e persisti na audiência mais um pouco, para me assegurar de ter uma impressão mais ampla e não apenas uma vaga primeira impressão. Se para Danilo “Agora é tarde”, para mim ainda é tempo de ressaltar alguns pontos (que trocadalho do carilho…).

A fórmula é batida e clichê. Fato. De novo e mais uma vez o combo: banda + um apresentador/entrevistador + quadros de pegadinhas + comentários sobre as notícias atuais. Estou errada ou já vimos tudo isso antes? Acho que sim. Então, conta-se muito com a audiência do público do humorista Danilo Gentili. Danilo insiste em ternos (por que, afinal?) e uma postura menos agressiva, abafando a característica do humor que o fez conquistar fãs pelo país. Na estréia, lembro-me de pensar que ele buscava uma referência: Sílvio Santos? João Gordo? Jô Soares? Datena?! Pensei em vários porque não o reconheci ali em seu próprio papel.

Nunca havia visto um talk-show com tantos “coadjuvantes”. Ultraje a Rigor, Marcelo Mansfield e mais dois humoristas.  Não parece muita gente pra um palco só? Nos programas que vi, achei Marcelo Mansfield (cujo estilo de humor, pessoalmente, me agrada mais) pouco aproveitado. Marcelo Mansfield tem um rastro artístico e cultural bem maior (até pela idade e vivência) que Danilo Gentili. E passa a impressão de ser um supervisor, pronto para intervir caso a peteca caia… Se a intenção não era essa, sinto muito, mas é a sensação que tive. Por muitas vezes, perguntei-me se não seria melhor o Marcelo entrevistar… Acho seu repertório, como já disse, mais amplo e profundo para aproveitar mais os entrevistados e para extrair declarações mais relaxadas, momentos engraçados… Talvez a imagem construída por Danilo Gentili, com tiradas de humor ácido o transforme num “risco” para os entrevistados. Risco de não ser ouvido, de se colocar em posição constrangedora e de não se sentir à vontade.

O principal  “x” da questão no programa são as entrevistas. A lista de convidados é interessante (Peréio, Marília Gabriela, Marta Suplicy entre outros). Tudo a favor. Mas parece não funcionar. Danilo Gentili na posição de apresentador/entrevistador é outra pessoa/persona, que parece não ter ainda acertado no tom e timing. Basta dizer que a cada “tirada” dele ou do entrevistado, insiste-se num infâme toque de bateria (Sim, David Letterman fez escola com essa chatice). Pergunto: precisa? Incomoda-me tanto quanto claquete de risadas. Além disso, repito-me, nenhum entrevistado parece se sentir à vontade (na medida do possível) com Danilo.

Talvez ele próprio perceba tudo isso. Mas tal percepção não soluciona o caso. É visível sua fuga, várias vezes, para a ficha do entrevistado enquanto o mesmo fala. Nervosismo ou falta de preparo? Os entrevistados parecem falar menos. Receio?

A Liga” (BAND) com Rafinha Bastos, a meu ver, emplacou porque houve a sabedoria de estruturar um programa aproveitando o perfil de jornalista investigativo de Rafinha Bastos e sua capacidade de expor situações e realidades distintas (somada à uma equipe e produção impecáveis).
E vocês, o que estão achando do Danilo lá? Agora é tarde para ele ou ainda há chance de melhorar? Mande sua opinião!

Vídeo

Marília Gabriela incrível: “Isso é pra ser sexy?!” uahuhauhauah…


Clique no retângulo acima para acessar o blog da Ju Teófilo


Ponto Gê: Ser Sexy… o que é isso?


Autor: georgia ~ 29 de setembro de 2009. Categorias: Ponto Gê.

Ualllll que sexy!

Nunca ouvi essa frase.

Ainda bem, porque ‘ual’ é uma das coisas mais bregas que alguém pode dizer junto de qualquer outra palavra. Bom, se bem que ‘cheirosa’ e ‘delícia’, também é de matar. Isso me lembra uma história.

Sempre tive o dom de entender as coisas erradas. Sempre. Foi quando um guri me disse em uma balada, ao sair para dar uma volta, “Daqui a pouco eu pinto por aí”. Não pensei duas vezes em correr atrás dele e mandá-lo repetir na minha cara a baixaria que acabara de me dizer. E não é que ele repetiu? “Daqui a pouco eu pinto por ai”.

Como se limpasse a camiseta dele, eu disse simpática: – Ah, ok. Pode ir.

Puta que pariu. Porque foi que eu entendi, “Não vai procurar outro pinto por aí!”. Why? Why? Quem diz essa frase hoje em dia: – Vou dar uma volta e PINTO por aí mais tarde.

Mas isso é apenas para descontrair. O que eu quero destacar é que nunca tinha ouvido, até pouco tempo atrás, que era uma pessoa sexy. Até agora não sei ainda se essa informação procede.

O que é uma mulher sexy? Alguém pode me dizer?

Sempre parto como referência: Jéssica Rabbit. Desse ponto, eu sexy, foi uma tremenda piada de mau gosto. Sou magra, eu diria magra demais. A gente nunca está contente mesmo. Mas daí pra ser sexy, acho que me faltam alguns quilômetros. Quilômetros de perna, de bunda e de peito. É, mas sexy não é gostosa, é?

Estão vendo, eu não sei o que é sexy.

Bom, então sexy é um jeito, um olhar…

A palavra que mais escuto no dia a dia é ‘grossa’. Descarta o meu jeito então.

A maioria dos meus olhares é de descontentamento. Bom, está certo, as vezes eu consigo fazer um olhar mais intrigante, mas sempre tenho a impressão que é literalmente intrigante, porque acho que ninguém entende.

Esquece, jeito e olhar…

Um sorriso?

Bom, esse eu dou aos montes. Sempre com gargalhadas. Nada sexy.

O jeito de se vestir?

Está certo, esse eu gosto. Sem vulgaridades uma mulher bem vestida é demais.

Mesmo assim ainda não estou satisfeita, então vamos perguntar para alguns homens por aí.

Entrevistado 1:

Ge Accordi – diz:

O que é uma mulher sexy?

1 diz:

Tem alternativas?

Ge Accordi – diz:

Não

1 diz:

Porque queres saber disso?

Ge Accordi – diz:

Para um artigo que estou escrevendo…

1 diz:

1º uma voz atraente

2º ter peitões ahuauha

3º ser magra … não muito…

4º Ter sempre a unhas feitas… parece até coisa de gay… mas é que eu sempre olho para as mãos das mulheres e aquela que não tem a unha feita já da um certo receio.

Entrevistado 2:

Ge Accordi – diz:

O que é uma mulher sexy?

2 diz:

E agora!?!

Bah! é complicado explicar isso.

Características? É isso q tu queres?

Ge Accordi – diz:

Não sei

Quero saber o que é uma mulher sexy pra ti.

2 diz:

Tem que saber se vestir de acordo com o seu corpo, é uma mulher que com poucos acessórios ou acessórios que não sejam vulgares, fica linda. Sabe se comportar, mulher sexy é aquela que não mostra o que realmente é quando a gente olha pra ela, deixa aquele segredo no ar…

Tem que ser charmosa.

Entrevistado 3:

Ge Accordi – diz:

O que é uma mulher sexy?

3 – diz:

Aquela que sabe provocar

Roupa certa

Perfume

Cabelo

Olhar

Nossa, me dá até um arrepio.

Entrevistado 4:

Ge Accordi – diz:

O que é uma mulher sexy?

4 – diz:

Nossa, inevitável não pensar em mulher inteligente, mulher inteligente é sexy.

Mulher que sabe se vestir de forma sensual, sem ficar vulgar é sexy.

Ge Accordi – diz:

Mais alguma coisa?

4 – diz:

Acho morenas mais sexys que as loiras, mas isso é pessoal, rsrsrssrs.

Faça sua escolha, qual resposta agradou mais, qual agradou menos. Estão vendo como a coisa toda é relativa. É nesse ponto que quero chegar. O que é muito sexy para mim, pode ser o “Oh” para ti. Isso dava uma boa pesquisa sabe. A começar pela idade dos entrevistados que eu busquei variar, o que variou muito as respostas também. Nível de instrução, todos tem o mesmo. Agora bom gosto, isso também foi relativo.

Beijos sexys…





Busca

© 2007-2020 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br