Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Roberto Justus e sua entrevista para Marília Gabriela



Por Mafalda - 2 de fevereiro de 2011. Categorias: Sofá da Mona.


Fonte da imagem: UOL Televisão – Notícias

Roberto Justus é um empresário milionário e dá palestras para outros, que acreditam que ouví-lo os alçará para o sucesso. Pele clara e cuidada, cabelos grisalhos penteados e fixados com laquê, olhos azuis, sempre com ternos e gravatas impecáveis. Roberto Justus parece nem suar. Cinqüentão, casou-se com jovem bonita. Diz-se viciado em mulher bonita. Justus parece obstinado em vender a imagem e a fórmula do “sucesso”. Mais, Justus cultua a imagem daquele que não conhece o fracasso.

Sua incursão na franquia de O Aprendiz, fazendo as vezes de um Donald Trump mais bem apanhado funcionou bem nas edições do programa. Mas Justus queria mais. Queria ganhar o mundo da televisão. Justus queria cantar também (ele, e apenas ele, acredita em seu talento como cantor). Sua fortuna permitiu-lhe realizar ambos os sonhos. Apresenta um programa de audiência inexpressiva (1 contra 100) e tudo indica que desistiu dos planos iniciais de produzir programas para o SBT (o que gerou uma maré de demissões na emissora).

O “super” Roberto Justus foi entrevistado pela jornalista Marília Gabriela. Os assuntos de sempre, nada bombástico, até porque são colegas de emissora. Mas quando Roberto Justus decide se expressar fora de uma personagem pré-definida, quando resolve sair do script, as pérolas retrógradas, o machismo e o preconceito jorram abundantes. Medo.

Nesta ocasião específica, enveredou-se para seu lado empresário. Aí veio a “pérola”: de acordo com Justus, não se deve contratar uma pessoa acima do peso porque isso é prova de menos inteligência e auto-controle. Segundo o raciocínio de Justus, obesidade é sinal de fraqueza e de menos competência (eu gostaria que ele fosse entrevistado pelo Jô Soares após tais declarações….seria muito educativo).

Hoje, estar acima do peso pode tirar as chances de uma pessoa, mesmo que super capacitada, de conseguir um emprego. Embora nenhum recrutador ou departamento de recursos humanos assuma abertamente, tal discriminação ocorre porque as empresas não querem assumir um empregado com maior chance de se ausentar por motivos médicos. Ou porque não querem associar sua marca a uma pessoa obesa.

Sim, é um mundo escroto, mas certo ou não, ninguém colocou em discussão a inteligência do candidato. Ninguém associou inteligência ao peso. Ninguém afirmou que ser obeso foi uma escolha ou resultado de fraqueza de caráter.

Associar imagem corporal ao desempenho intelectual ou outras habilidades e competências não é invenção de Justus. Num passado recente, tivemos um cara que buscou construir uma nação inteira só com exemplares “perfeitos”- uma nação de arianos bonitos, atléticos, de olhos claros, inteligentes… Parte do plano incluía exterminar os “não perfeitos”. Deficientes físicos, doentes mentais, idosos, homossexuais, ciganos, judeus… Mais de seis milhões de vidas “imperfeitas” viraram cinzas nos céus do império nazista de Hitler.

Não, não acho exagero a lembrança… Negar oportunidades também não é um modo de “matar” uma pessoa? Velada ou declarada, a exclusão injusta de milhares de pessoas incríveis e brilhantes (e acima do peso) está rolando agora em muitas empresas. Em tempos de Big Brother no ar e férias, declarações tacanhas e perigosas (pois influenciam empregadores, que compram as palestras de Justus e querem imitar seu “sucesso”) podem passar despercebidas. Mas sua semente vem sendo plantada…


Clique no retângulo acima para acessar o blog da Ju Teófilo

PS: Veja também outro abordagem sobre o mesmo assunto Aqui!

Veja também:

47 Comentários to Roberto Justus e sua entrevista para Marília Gabriela

  1. Lucas Yassumura, o @DruidaLucas

    Excelente texto!

    Roberto Justus, assim como sua contraparte estadunidense (se é que se pode chamá-lo de “contraparte”) Donald Trump não sabem o que é sucesso. Não, eles não sabem.

    Nunca precisaram pegar um ônibus lotado de gente suada às 5 da tarde num dia de verão a quase 40 graus para voltar para casa depois de aturar um dia inteiro com um chefe que se acha um deus e cuja única vocação é a de ser tirano.

    Nunca comeram marmitão, daqueles requentados pela manhã e que, quando são abertos, exalam aquele odor de comida quase azeda de tanto ficarem em banho-maria no marmiteiro da fábrica.

    Nunca viram suas contas bancárias negativas, não precisaram economizar no pãozinho da manhã, nem lhes faltou dinheiro para comprar o remédio necessário para alguma doença grave. Jamais enfretaram um SUS.

    Dentre outros tantos “nunca isso e aquilo”, eles são chamados como “símbolos do sucesso”. Sucesso?

    Entendo por sucesso a pessoa que vence todas as adversidades por méritos e esforços próprios (sem se amuletarem em pretensos amigos políticos e partidários) e vencem na vida, tornando-se exemplos para seus familiares e sua comunidade. Nascer em berço explêndido e depois ditar regras de convívio sem ter passado pelas experiências da vida não tem absolutamente nada a ver com sucesso.

    Por isso, não me assustam essas aberrações ditas por Justus, Trump e outros, porque eles nunca viveram “do lado de cá” da sociedade. Não sabem que gordos também são seres humanos e muitos deles sofrem por problemas glandulares. Isso invoca outras facetas do preconceito, algo praticado à demasia no Brasil.

    Tenho fios de cabelos brancos, já passei dos 40 anos. Alguns headhunters (todos eles alimentados pelas ideias ‘justusnianas’) me disseram que já estou morto para o mercado de trabalho. Mas… meus amigos estadunidenses me dizem que lá, no país tão badalado por Justus, não há essa história de preconceito por idade e as condições são iguais para os candidatos a uma vaga de emprego…

    É… você finaliza muito bem seu texto: “sua semente vem sendo plantada”. E quem recebe essas sementes são exatamente as pessoas que vão contratar os tantos estagiários e jovens talentosos que já encontrei. Mas porque alguns são “acima do peso”, ou têm a “pigmentação da pele escura”, ou têm “desprovidos de altura suficiente” , ou, o que é ainda mais gritante, não vêm de famílias ricas e abastadas, então nunca vão poder colocar seus talentos à mostra.

    Obrigado, Justus, por provar explicitamente que no Brasil existe sim preconceito praticado a céu aberto.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Lucas Yassumura, o @DruidaLucas, Fiquei muito emocionada com seu comentário. Representa muito do que tambpem sinto. Obrigada por compartilhar, bjs.

    [Responder]

    Falcão Azul Resposta:

    @Lucas Yassumura, o @DruidaLucas, excelente seu comentário. Para mim sucesso é Deus olhar para você e falar “poxa, você é um cara legal” :-) . O resto é acréscimo.

    [Responder]

    Mafalda Resposta:

    Realmente depende de como você encara a vida. Se vc for um monge budista ou um religioso, o sucesso como a maioria vê não faz sentido.
    Já pelo lado material, não precisa nem ser famoso. Uma pessoa que veio de familia humilde, que os pais e os filhos batalharam, e conseguiu educação, se formar médico, juiz, etc… conseguiu o sucesso na vida.
    Bjs

    [Responder]

    Kellbonassoli Resposta:

    @Lucas Yassumura, o @DruidaLucas,
    O seu comentário é praticamente um artigo dentro do artigo.
    Realmente isso é uma verdade aqui no Brasil.
    Estou obesa e já senti este tipo de discriminação na pele.
    Estou trabalhando em uma empresa, já faz 4 anos.
    A minha contratante me conheceu magra e por isso tive oportunidade de mostrar minha competência antes de ela criar alguma barreira.
    Por outro lado.. não costumava ir nas reuniões com clientes pois as pessoas dão menos credibilidade para quem está acima do peso. #fato
    Até mesmo as clientes gordinhas tem esse preconceito.
    E isso que eu trabalho com infra-estrutura tecnológica e audiovisual.
    Hoje em dia, vou nas reuniões de clientes que já conhecem a empresa, pessoas com as quais já tenho contato por telefone.
    Quem trabalha com recepção e cerimonial então está perdido.
    Aqui em Curitiba, tem uma empresa que faz recepçao e monta credenciamento e só tem uma guria gordinha que sempre está nos eventos científicos pq ela é super competente, mas quando é mais social (festa, jantar show etc), os clientes não querem.
    Eles nao escolhem curriculo, escolhem foto.
    Então vem esse babaca do Justus para assinar embaixo de um comportamento ridiculo desses.
    O problema não é só com os recrutadores, é com toda a sociedade.

    [Responder]

    cida Resposta:

    @Kellbonassoli,
    Gostei do seu comentário, mas a inteligência não tem nada a ver com obesidade, a obesidade é problema endocrinos. Jo Soares um gordo e muito inteligente, muito mais inteligente que Justus, que pelo que percebo em poucas entrevistas que leio, não é inteligente, é mas um mala suas entrevistas não tem nada de aproveitavel em conteúdos. Como sou formada em recursos e humanos e trabalho na area acho que talento, competência não tem nada com obesidade. Agora ser casado com mulher bonita, vazia, futil sem talento é outra coisa, pois boniteza sem QI não da emprego a ninguêm precisa de influencias para conseguir e casar com homem rico para ser sustentada. Justus não entende nem de recrutamneto, leia Chiavenato, agora casa com burra e babaca é demais e ainda esconder doença da filha é pior, por isso Deus escreve certo por linhas tortas, os defeitos está na cara,

    [Responder]

    Kellbonassoli Resposta:

    @cida, não entendi seu comentário: ” inteligência não tem nada a ver com obesidade” , afinal, é óbvio que uma coisa não é garantia da outra.
    O que eu disse, caso eu tenha me perdido no raciocínio é que as pessoas ignoram suas competências quando você é fora do padrão e criam inclusive barreiras.
    A realidade é: uma pessoa bonita pode conseguir um emprego para o qual não tem competência unica e exclusivamente por sua aparência enquanto que uma pessoa fora do padrão (gordo,feio,negro, homossexual, etc) pode ficar fora do mercado mesmo sendo extremamente capacitada.
    Queria mesmo viver num mundo ideal, aquele que ensinam nos livros e nas palestras, aquele em que as coisas são honestas, lógicas, coerentes. Mais justas e menos Justus. ;)

  2. Calista (@surtopsicotico)

    Aplaudo de pé. Texto extraordinário. Hoje mesmo saiu uma notícia sobre professoras que foram consideradas inaptas para exercerem seus cargos por estarem acima do peso. Sou considerada obesa e trabalho normalmente, controlo muito bem minha saúde e pelo que sei apenas a obesidade é considerada doença, o que impossibilitaria uma pessoa de trabalhar. Tenho QI acima da média da população, mas ninguém sabe disso apenas olhando pra minha cara, ninguém mede meu QI com uma subida na balança. Minha capacidade está além do meu peso e concordo com o Lucas, pessoas de sucesso são as que vencem na vida e não aquelas que recebem tudo de mão beijada.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Calista (@surtopsicotico), Obrigada pelo carinho e pelo comentário. Infelizmente, acho que noticias como as das professoras serão mais frequentes em tempos de pensamentos nazistas propagando-se por aí…Muito importante não nos calarmos. Nunca. Bjs

    [Responder]

    Calista (@surtopsicotico) Resposta:

    @Calista (@surtopsicotico),
    Cometi um pequeno erro no meu texto, quando falei de obesidade, quis dizer obesidade morbida.

    [Responder]

  3. GeorGUN

    Cara, eu poderia comentar tantas coisas acerca desse texto e da declaração deste empresário com sinais de demência pré-velhice! Mas será mesmo que vale a pena?
    Triste, apenas isso…

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @GeorGUN, Eu te entendo e em muitas situações acho que nem vale a pena. MAs algumas vezes penso que nao devemos nos calar. Justus vende tais idéias como verdades. Forma opinião de empregadores. Acho que chega um momento em que a gente levanta uma voz, em que a gente precisa falar, mesmo que poucos ouçam.
    Valeu pelo comentário! Bjs

    [Responder]

  4. Ruz

    Eu também estou acima do peso e obviamente também achei o que ele falou muito ruim. Mas isso ainda é reflexo da sociedade preconceituosa que vivemos, e da criação que tivemos. Ele deve ter vindo de uma família extremamente apegada à rótulos, aparências e foi ficando na cabeça dele. Conheci uma menininha filha de uma mãe super preconceituosa também, e a menina não gosta nem de gente que usa óculos porque é diferente dela.

    Não vale a pena dar créditos ao Justus nem a qualquer outra pessoa. O melhor que podemos fazer é seguir nossa vida longe de empregadores que pensam assim, e tem muitos por aí!

    Ótimo texto, Ju! Mandei um bjo pra vc no podcast que participei, pq vc é muito muito legal! :D

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Ruz, Oi, Ruz, estou muito na correria e com monacast em atraso pra ouvir, mas vou ouvir ainda esta semana. Obrigada pelo carinho e saiba que é recíproco, pois acompanho seus comentários sempre! Derreti aqui com sua lembrança! Bjs

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Ruz, Só agora pude ouvir o monacast. Muito legal sua participação. Muito obrigada pela lembrança e pelo carinho em citar. Derreti aqui srsrsrsr Valeu! Bjs Ju

    [Responder]

  5. Mafalda

    Ju, excelente texto e ótimos comentários do pessoal aqui.
    Tem toda razão em não ficar calada e criticar.
    Beijos,
    Mafalda

    [Responder]

  6. Juliana

    Amei!

    [Responder]

  7. Falcão Azul

    Ju, deixa só eu comentar mais uma coisa a respeito dos “empregadores” que existem por ai. Certa vez vi um estudo de uma grande empresa de RH sobre a relação entre a cor do terno do entrevistado e as chances que ele tem de obter um emprego. Achei isso o maior absurdo do mundo e prometi que nunca iria trabalhar em um lugar onde minha capacidade seria julgada pela cor da roupa (o que, no fundo, não é muito diferente de ser julgado pela cor da pele ou pelo ponteiro da balança). Como consequencia, acabei abrindo minha própria empresa :-) .

    Você não imagina quantas vezes, ao passar por alguma dificuldade financeira, pensei que essa tinha sido uma decisão errada e que deveria ter cedido e seguido o caminho normal da maior parte das pessoas que tiveram a mesma formação que eu – vestir o terno azul e ser empregado de alguma grande empresa, seguindo o mantra de gurus como Justus.

    Lendo textos como o teu e conversando com pessoas como o Lucas (que tive o prazer de trocar algumas palavras na Campus Party) é que volto a ter certeza que tomei a decisão correta :-) .

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Falcão Azul, É preciso muita coragem para seguir um caminho genuíno e de acordo com nossos valores e coração. Tenho isso em comum com vc e os mesmos questionamentos que são inevitáveis.
    Valeu pelo comentário! ABS

    [Responder]

  8. Phoebe

    Agora, cá entre nós… é curioso isso. Logo o Roberto Justus, que deveria ter revisto os seus conceitos após o nascimento da filha. A bebezinha dele, que tem a idade do meu filho (1 ano e meio, aproximadamente) tem alguma síndrome, pelo rostinho dela e o formato da cabecinha você nota, apesar deles não terem assumido ainda em público. Será que ele não pensa no tanto de preconceito que a bebê dele vai ter que enfrentar nesse mundo? Ao invés de promover ações de combate ao preconceito, ele vai e faz o inverso: dá declarações preconceituosas associando gordura corporal à falta de capacidade para o trabalho… é deprimente.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Phoebe, Oi, Phoebe! Especula-se muito sobre a filha dele com Ticiane etc, mas a familia declara que ela é totalmente saudavel e normal. Mas observo o mesmo que vc, mas vamos torcer e rezar por essa menininha que não tem culpa do pai que tem!
    Bjs

    [Responder]

    Phoebe Resposta:

    @Ju Teófilo,

    Pois é, Ju. O que penso é o seguinte: Deus escreve certo por linhas tortas. De repente deu de presente para a família uma menininha muito especial, esperando que os pais, utilizando o poder e o espaço na mídia, promovessem campanhas de caridade para crianças especiais e de combate ao preconceito. Na mesma hora em que li esse artigo, lembrei do Romário, que ganhou de presente em sua família uma garotinha linda e especial, e vive participando de campanhas, além de já ter dado declarações sobre o quanto evoluiu e amadureceu após o nascimento da filha, em razão da quantidade de bons ensinamentos que ela trouxe.É dar tempo ao tempo e esperar que, à medida que a filhinha for crescendo, o Justus aproveite e cresça tb, para usar a influência que ele tem em favor do bem, evitando demonstrações preconceituosas e fúteis como essa da entrevista.

    [Responder]

  9. Daigo

    Ou seja, chamou o Wozniak (aproveitando o hype Campus Party) de incapacitado. Bem como o que podemos chamar de “colega de serviço” Donald Trump e outros gordos que fizeram sucesso de pessoas de baixo intelecto. Só vale lembrar que o Brasil, só se dá bem que é experto, não necessariamente inteligente.
    Triste isso.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Daigo, Oi, Diego, pois é, bem lembrado! Fiz uma mini listinha com pessoas que Justus não contrataria…Se quiser ver tá no link http://mundohumanobyju.blogspot.com/2011/01/lembrete-para-os-robertos-justus-da.html

    Valeu pelo comentario. Abs

    [Responder]

  10. Jose

    Concordo plenamenteo com o Roberto Justus,uma pessoa gorda , so esta gorda porque nao tem auto controle,nao tem vergonha na cara, se olha no espelho e nao percebe que seu corpo é vergonhoso.Pq eu vou contratar uma pessoa sem controle e que nao tem vergonha na cara e que principalmente nao gosta nem dela mesma?

    Se voce esta gordo ja tem alguma coisa errada com você.

    [Responder]

    Davi Graeff Resposta:

    @Jose, Aparentemente com você também…

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Davi Graeff,
    Davi Graeff – olé!!!
    Bjs

    [Responder]

    Calista (@surtopsicotico) Resposta:

    @Jose,
    É por pessoas como você querido, que ainda existem guerras no mundo.
    Lamento muito pelo seu pensamento e fico triste por você pensar assim, mas saiba de uma coisa a vida nos prega muitas peças e um dia você também pode “perder o controle”.
    Boa sorte na sua vida e que ninguem nunca te julgue pela aparencia.

    [Responder]

    alexsandra Resposta:

    @Jose,

    [Responder]

    alexsandra Resposta:

    @Jose,
    Vamos lá, tentar salvar o mundo. Deixa eu explicar bem explicadinho para ver se você compreende: corpo vergonhoso não caracteriza incapacidade. Tentando exemplificar para ver você consegue captar:Stephen Hawking?
    Sem controle e sem vergonha na cara? Para mim essa definição representa melhor essas bbbs, magras, lindas, atléticas, que ficam se acasalando diante milhares de pessoas, ou mesmo descendo até o chão, dançando com as genitálias à mostra sem controle perante seus desejos sexuais. Ah, tá… como seus corpos não são vergonhosos elas têm o direito de “perder o controle”

    [Responder]

  11. Eubalena

    Independente de ser gordo, magro, negro, branco, rico, pobre ou do avesso. Eu tenho muita, mas muita pena de pessoas que analisam o mundo pelo o que as outras pessoas aparentam e não por aquilo que elas realmente podem fazer.

    Será o que isso? Medo do que realmente o seu espelho pode mostrar?

    [Responder]

  12. Erika

    Engraçado… pessoas acima do peso podem assistir às palestras dele? Pagando, claro! [:|].
    E justo o Justus (sem trocadilho hahaha), lindo, né? pra falar da aparência alheia… alguém pára o mundo que eu quero subir!!!!!!!!!

    [Responder]

  13. Mariana Sillva

    A opinião dele, infelizmente é o reflexo de várias empresas. Eu já perdi diversos empregos/estágios por não estar no padrão modelo ou alguém aqui já entrou em um banco e viu uma mulher “feia”? A sociedade brasileira que se orgulha tanto em dizer que aqui não existe preconceito, se comporta como uma velinha fofoqueira que fica na janela falando mal da vizinha. Eu tenho vergonha por opiniões assim, capacidade não é medida por estereótipo. E a única coisa que consigo sentir pelo Justus é nojo.

    [Responder]

  14. Davi Graeff

    Acho sim que uma pessoa acima do peso precisa repensar seus hábitos e cuidar mais da saúde, mas daí a ser considerado incapacitado? Isso é estupidez! Quem pensa assim também deveria repensar os seus conceitos.

    E só pra constar, sou magrelo toda vida, isso por um acaso faz de mim alguém hiper ultra mega capacitado? Ah, francamente…

    [Responder]

  15. Ericka Rocha

    Nunca consegui gostar do Justus, ele num é uma pessoa de verdade. Digo aqui no sentido amplo da palavra, porque, pra mim, bem sucedido não é aquele que é rico, é aquele que consegue dinheiro sem passar por cima das pessoas e tem tempo pra ser feliz. Espécimes raras por aí? Sim, mas existem. Casado com uma mulher lindíssima, Justus teve a felicidade de ter uma filhinha com belos olhos azuis. E doente. Ou vocês nunca repararam algo de estranho na bebê dele com a Ticiane Pinheiro? AGORA PENSEM: ele fala dos obesos, fala com propriedade sobre mil coisas, trata e destrata pessoas por aí e como será o futuro da própria família dele? Rodeado de preconceitos proferidos por pessoas perfeitamente normais?
    Capacidade também tem a ver com o fato de saber pensar sobre as diferenças, e, depois dessa entrevista, o incapacitado, pra mim, foi o Roberto. Que me desculpem os fãs.

    Um bjão, Ju!

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Ericka Rocha, Ericka, não há confirmação por parte da família sobre algum tipo de problema na bebezinha. Espero que não haja nada de errado, mas pensar na possibilidade levantada, assusta. Espero, pela menininha, que seja apenas impressão. E se não for, que motive o repensar sobre conceitos e preconceitos em todos nós.
    Valeu o comentário! Bjs Ju

    [Responder]

  16. David Nery

    Lamentável esse comentário do Justus. Esse tipo de “rótulo” usado por ele é coisa de gente que nunca foi gordo. O que me deixa mais triste é ele por ser, infelizmente, uma pessoa formadora de opinião pode acabar criando, se já não criou, uma tendência ruim no mercado de trabalho.

    Fico decepcionado, pois nutria até uma admiração por ele, mas, diante desse comentário pra lá de infeliz, atearei fogo em sua biografia assim que chegar em casa.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @David Nery, David, “formador de opinião”… assusta ouvir coisas assim de tais pessoas. Quanto a atear fogo na biografia rsrsrsr (não ude deixar de rir alto aqui), uma alternativa é reciclar (o papel) ou as idéias relendo com outros olhos…
    Valeu pleo comentário. Abs. Ju

    [Responder]

  17. Jorge mendes

    O cara tem suas qualidades,conseguiu um programa reality show inteligente ao contrario do lixo BBB que agrega algo,porém quanto ao preconceito contra Obesos eu entendo que se gerarem Lucro para as empresas dele os contratariam sim
    Mais um afronto de preconceito das elites desse país,ele tem grana para fazer “mil plásticas”,senão sua cara estaria de um velho,e quem sabe até acima do peso.
    acho que tem que parar com isso de contratar pessoas por causa da aparência cor,estado civil,gênero ou peso(salvo para concursos de beleza).
    Por mais um motivo as pessoas procuram cargos públicos,que sua capacidade é provada num exame avaliatório,onde contratam-se os melhores,mas depois os empresários reclamam que não tem mão de obra especializada.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Jorge mendes, Jorge, vc tem toda razão. Chega de tratar mão de obra como objeto. “GEnte é pra brilhar” como dizia a música de Caetano. Valeu pelo comentário.
    Abs
    JU

    [Responder]

  18. Domingueiras « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

    [...] Por falar em “idiota preconceituoso” a Sam Shiraishi compartilhou uma entrevista do Roberto Justus pra Marília Gabriela [05/12/2010] em que o empresário desmascara seus preconceitos. Rendeu um post excelente no Monalisa de Pijamas. [...]

  19. Mila

    @Falcão Azul,
    Se um dia deus olhar prá vc e falar “poxa, você é um cara legal” corra pro psiquiatra mais próximo!

    [Responder]

    Falcão Azul Resposta:

    @Mila,
    Não necessariamente. Conheço pessoas que tiveram experiências místicas e são absolutamente sãs. E conheço também psiquiatras que são absolutamente doidos :-) .

    [Responder]

  20. Joice

    Realmente dá pena dessas pessoas…se acham deuses mas possuem uma imensa carencia que nenhum diheiro no mundo pode comprar.. carencia de amor, do Deus verdadeiro… O que adianta ganhar o mundo inteiro e perder sua alma?

    [Responder]

  21. A.S

    Justus tem fortuna porque é um filhinho de papai, nasceu em familia rica, e eu não admiro essas pessoas que cresceram numa redoma e se acham muito sábias e donas da verdade.
    Dignas da minha admiração são as pessoas que conquistaram graças ao seu esforço sem papai para bancar e que não ficam falando merda na mídia pra alimentar o ego
    Justus me dá nojo, é um poço de arrogância e soberba.

    [Responder]

  22. Moça

    Se ele fosse dono de indústria alimentícia ele ia amar de paixão os obesos

    [Responder]

  23. A.S

    /\
    ||
    Certamente, nesse caso ele não criticaria os obesos na mídia, ficaria quietinho

    [Responder]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br