Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Meu Tipo de Mulher – por Eugênio Paccelli



Por Mafalda - 7 de janeiro de 2009. Categorias: Cantinho das Monas, Geral.

O jornalista e músico Eugênio Paccelli, ouvinte do Monacast, se inspirou em um dos episódios e nos mandou este texto que coloco aqui para vocês.

Acho que muitos dos nossos leitores e ouvintes vão se identificar.

Agradeço ao Eugênio pelo texto.

Beijos da Mafalda

================================================

MEU TIPO DE MULHER

Sempre fico constrangido quando alguém me pergunta: “qual seu tipo de mulher?”

Claro que a resposta depende do interlocutor, ou interlocutora. O
engraçado é não consigo lembrar de nenhum homem que tenha me feito
essa pergunta. Talvez por isso nunca tenha parado pra pensar: enfim,
qual meu tipo de mulher?

Anos de sincericídio me ensinaram que para as moças a resposta certa é
sempre qualquer que seja aquela que elas querem escutar. Minhas
respostas, claro, iam ao gosto da freguesa: loira, negra, albina,
simples, inteligente, carinhosa, independente, alta, pequenina, magra,
farta. Um bom vocabulário e o tom de voz certo tornam qualquer suposto
defeito em virtude. Como já disse o Léo Jaime: “conversar com mulher
sem celulite é um saco!” Quem não se derreteria diante disso?

Porém, nunca havia pensado em qual realmente seria meu tipo de mulher.
Acho que nunca pensei nisso por achar muito mercantil a idéia de
buscar uma mulher de um tipo específico como quem procura um carro,
escolhendo características e cores. Do air-bag ao capô, exigindo tudo
exatamente ao seu gosto.

O fato é que temos nosso tipo, nossos tipos. Basta fechar os olhos e
imaginar para enxergar a fêmea customizada à nossa maneira.

Confesso minhas preferências. Formato de corpo, de rosto,
personalidade, poder cognitivo, conduta sexual. Juntando esses gostos
cheguei ao meu tipo de mulher. Ao menos foi o que achei.

A paixão é um desses eventos que tomba seus conceitos. A paixão é a
vida em estado de sítio. Dela saímos veteranos, saudosos ou amargos,
dependendo do resultado do combate. Ela tombou a idéia de qual seria
meu tipo.

Lembro daquele encontro como uma aula de sedução. Perfeita para
mostrar exatamente o que não fazer para ganhar uma mulher! Um mal
exemplo tão simétrico que bastava alguém fazer precisamente o
contrário do que fiz para ter qualquer mulher. Realmente uma lástima.
Apenas para dar uma idéia da tragédia: ao final da noite pedi um
beijo. Isso mesmo, falei textualmente “eu quero te dar um beijo”. Sim,
como espero que a escrita deste texto já tenha deixado claro, tenho
mais de doze anos de idade…

Por alguma razão inexplicável, consegui o beijo. Diante de um prelúdio
tão mal escrito, não havia como aquele não ser um péssimo beijo.
Lembro de contar o tempo, tamanho desconforto. Pensei “humm, vinte
segundos, já deve ser o suficiente” e tirei minha língua da boca da
moça.

Conversamos de forma visivelmente constrangida. Deixei-a em casa e
comecei a lamentar minha péssima performance. Quis desejar nunca mais
ter com uma mulher que me fazia ser tão ruim, que acabara
completamente com meu orgulho galanteador. Estranhamente, não
consegui. Passei a noite em claro, pensando nela, tentando entender
des-desacordado o que havia me atropelado. Sim, estava apaixonado.

Se já não entendia nada, a falta de sono não ajudou em nada minha
reflexão. A embriaguez ajudou-me a pensar afastando a razão. Foi aí
que percebi que, finalmente, havia descoberto qual meu tipo de mulher.

Meu tipo de mulher é aquela que me toma a segurança, me deixa sem
jeito nem palavras. Aquela que me faz ensaiar o que vou falar, que me
faz contar os dias antes de ser sensato lhe ligar, que me faz olhar
seu número feito um idiota esperando a coragem e a melhor hora exata
para conversar. A que me faz estragar a piada pra depois consertar a
graça. Aquela que consegue me transformar em um homem tosco. Aquela
que não sabe a razão pela qual nos gostamos. Meu tipo de mulher é
aquela que me faz menos capaz, até menos homem. Meu tipo de mulher é
aquela que me faz nada mais que um menino.

Eugênio Paccelli

OBS: Mulheres, no seu próximo péssimo encontro cuidado para não
dispensar alguém que iria mudar suas vidas. Lembrem: quanto pior,
melhor!

Veja também:

7 Comentários to Meu Tipo de Mulher – por Eugênio Paccelli

  1. Natta

    como já disse Mário Quintana “O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser”… não existem modelos ideais de pessoas pra se relacionar… não dá pra ser como formula de matemática Eu linda + Você perfeito = a dois apaixonados!!! por isso ame sem reservas… sem nada esperar… e encontre nas pessoas o seu melhor!!! Bjus
    =**

    [Responder]

  2. Eduardo Mendes

    mulher não tem categoria, nem mesmo com classificar… a não ser é claro as mulheres-frutas, estas merecem ser classificadas!

    Exemplo a minha namorada, esta um dia eu tentei, futilmente, tentar dizer se ela é mais seria ou quieta.

    lembrei das vezes que brigamos, ela foi muito seria, quando converso sobre demais assuntos (que ela odeia mas escuta), lembrei de quando ficamos viajando ao ver o por-do-sol…

    cheguei a conclusão: “ELA É UMA MULHER SERIA!”

    porém quando chego a esta conclusão maravilhosa, ela toca no braço e diz:

    -” ta com voce!”

    e comçamos a correr pela casa brincando de pique esconde. e mortos de tanto rir.

    mulher são opostos… e iguais… negativas positivas… altas baixas… seria ou brincalhonas… mas AMAMOS ESTES SERES!

    [Responder]

  3. Agostinho

    MEUS TIPO DE MULHER – As que respiram. rsrsrs

    [Responder]

  4. PEdro

    E proporcional, quanto mais vc gosta, mas vc gagueja!

    [Responder]

  5. Natta

    T

    [Responder]

  6. Natta

    Também parece proporcional, na maioria das vezes, quanto mais você gosta de alguém mais está pessoa está distante de você!!! só Murphy explica está questão !!!

    [Responder]

  7. Cristina

    Não existe pessoa certa ou errada, existe é coragem pra se entregar.

    [Responder]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br