Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Respeito!



Por Eubalena - 16 de março de 2012. Categorias: animais, Mona em Família.


Nunca pensei em morar numa casa, mas resolvi que era hora de passar por esta experiencia por causa da minha filha e de seu amigo, o cachorro.

Sabe felicidade? Era isso que minha filha de 6 anos exalava. Ter um quintal para correr com seu cachorro, um viralatas de pouco menos de 2 anos adotado em um abrigo, era o paraíso para ela.

Um dia a menina brincava com seu vizinho na calçada em frente a casa sob a vigilância dos pais. Segundos depois de entrarem em casa, enquanto o pai fechava o portão da casa, o cachorrinho fugiu e atravessou a rua correndo. Uma van, em alta velocidade, atropelou e matou o cachorro instantaneamente e não parou para ver o que atropelou. “Porque um cachorro é só um cachorro…”

Claro, muitos dirão, não foi culpa da van, já que o cachorro fugiu. Sim, não existe culpa por ter atropelado o animal, o cão realmente fugiu por descuido de um adulto. Mas o motorista foi culpado por ter matado o cão. A velocidade na qual este motorista dirigia o impediu de parar o carro e também o impediria caso não fosse um animal (como se isso diminuísse a importância da vida e o amor que uma criança sentia por seu cão), o impediria se fosse uma criança, um ciclista, um cadeirante, se fosse eu, se fosse você.

E não pense que isso jamais acontecerá com você. Ninguém está livre de aparecer, do nada, uma criança na frente do seu carro, correndo atras de uma bola. Veículos são pesados. Imagine o que fez uma van em alta velocidade em um cão de 6kg? Não teria sido menos pior se fosse uma criança de 20kg.

Não adianta ficar triste, chorar, pedir desculpas. O importante é não desrespeitar o as leis de trânsito. Podemos não acabar com os acidentes, mas eles podem ser mais leves, menos graves e serem acidentes realmente, aquilo que acontece inesperadamente. Quando se corre, quando se bebe antes de dirigir, quando não se respeita as normas de trânsito, assume-se o risco de matar alguém, de morrer.

Segundo o DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito, a velocidade
máxima permitida para cada via é indicada por meio de placas. Onde não
existir sinalização, vale o seguinte:

Em vias urbanas:
•80 km/h nas vias de trânsito rápido.
•60 km/h nas vias arteriais.
•40 km/h nas vias coletoras.
•30 km/h nas vias locais.

A punição ao motorista não serve para nada se não existir a conscientização de todos. Os “pequenos” desrespeitos as leis de trânsito transformam os veículos em armas.

A palavra-chave para o trânsito é RESPEITO, respeito ao próximo, respeito às leis, respeito à sua vida. Só assim poderemos todos viver em paz: veículos, bicicletas e pedestres.

Divulgue, compartilhe! Vamos lutar por um trânsito melhor!

Veja também:

10 Comentários to Respeito!

  1. Arthur Gustavo

    Concordo com cada palavra.

    Eu, como ciclista que sou, presencio e sofro toda vez que vou dar minhas pedaladas. Sempre um motorista apressadinho, outro que entra sem dar a seta, trancões, os piores são os motoristas de ônibus.

    E em relação a cadelinha, meus sinceros pêsames, eu tenho uma vira-latas também, a coisa mais foda e não saberia o que fazer se caso algo assim acontecesse com ela.

    É triste isso, o respeito é algo que não existe no trânsito.

    [Responder]

  2. Phoebe

    Comentei com a Euba por e-mail, uma vez vi a entrevista com um policial rodoviário federal que atua aqui no RN e ele disse uma coisa que me fez pensar a respeito: se todos apenas obedecessem à legislação de trânsito, não haveria acidentes. Limites de velocidade, distância máxima permitida, proibição de ultrapassagem em determinados trechos… Se apenas seguíssemos a lei, dezenas de milhares de pessoas deixariam de morrer todos os anos aqui no Brasil.

    [Responder]

  3. Dávine

    concordo plenamente com a euba,já perdi cachorrinhos assim…so o dono sabe quanto e revoltante e triste perder uma amigo tão fiel quando um dog!realemnte é uma coisa a se pensar..uma coisa que desejo nunca aprender é a dirigir…não sei o pq..mas não acho viavel,vc gasta muito,não beneficia o planeta de forma nenhuma,e ainda corre o risco de acabar com varios tipos de seres vivos.creio que para dirigir,devia-se ter teste de psicologicos da mesma forma que vc faz para possuir uma arma.
    beijos euba,mafalda e pheobe…e bj pra clarinha e pro R2D2 lá no céu dos dos!beijos

    [Responder]

  4. Aline Banshee

    Poxa, que triste. :/
    Para uma criança, perder um cachorro é como perder um parente ou um amigo próximo.
    Quando eu era criança aconteceu o mesmo comigo. Eu ia e voltava do colégio com a Kombi escolar (na época era Kombi, e não van)e minha cadelinha sempre ia me receber no portão de casa. Ela já reconhecia o barulho que a Kombi fazia.
    Em um final de semana qualquer, minha mãe estava limpando a frente de casa quando esta Kombi passou, o portão estava aberto e minha cadelinha saiu doida pra rua, pensando que eu havia chegado.
    Bom, o resultado vocês já imaginam, né? A Kombi estava muito rápida e a atropelou. Lembro que ela veio chorando muito da rua e logo que entrou em casa ela morreu.
    Acho que quando isso aconteceu eu tinha a idade da Coró, e lembro MUITO bem das cenas até hoje. :/

    Beijos para todas vocês, meninas! E principalmente pra Coró, que deve estar muito tristinha pela falta do amiguinho. :*

    [Responder]

  5. Rafael Kaen

    Minha mãe morre de medo de atropelar um animal, ela gosta muito de animais e nunca maltratou eles, eu fico desesperado quando vejo um animal atravessar a rua quando tem um carro vindo em sua direção (não exatamente na direção dele), eu canso de falar que aqui no Brasil ninguém segue as leis e por isso que tem tanta coisa errada!

    [Responder]

  6. Edmilson

    Já fui atropelado, sei exatamente como é ser atingido por motoristas que não respeitam as leis. Meus sentimentos à todos os envolvidos. e desejo que este texto faça com que pelo menos um motorista/leitor dirija com mais cuidado.

    [Responder]

  7. Kellbonassoli

    Acabamos sempre voltando ao mesmo foco. O grande problema do nosso país é educação. Não apenas a educação formal, que é uma merda, também a educação que deveria ser dada pelas famílias. Os adultos tem crescido sem referencial nenhum. Eles simplesmente não se importam. E então os lesgiladores tentam remediar com o medo, com a possibilidade de punições.. mas nossas leis são uma piada. “Se ninguém está vendo, se vou ficar impune, se não me importo mesmo.. ”
    Esperamos respeito, empatia, bom senso e outras coisas mais, sem perceber que infelizmente grande parte da sociedade não tem estes valores. Então o que nos resta? O máximo que podemos fazer é cuidar para que nossos filhos não perpetuem este tipo de comportamento e cuidar e torcer para que não sejamos vitimas e sofrer quando o somos.
    Triste mas é verdade =/

    [Responder]

  8. Fabio Poquiviqui

    Poderia muito bem ser até um poste ou uma casa no caminho, e aí a vitíma da imprudência seria o próprio condutor. Ou seja, no trânsito não existe “só um pouquinho” ou “só hoje pq to atrasado”, pouco ou muito é desrespeito igual, com consequências. Acelerar toneladas de metal por aí sem respeitar os limites estabelecidos e atropelar, NÃO É ACIDENTE.
    Que a felicidade retorne.

    [Responder]

  9. Jack

    Meus pêsames pela perda. É chato uma criança aprender dessa maneira como é perder alguém querido.

    Quanto ao trânsito no Brasil, acho que é preciso maior investimento nas autoridades que fiscalizam. Ao invés dos políticos inúteis ganharem fortunas pra não fazerem a diferença seria melhor investir esse dinheiro para fazer o sistema funcionar como deveria.

    Eu não levo mais a sério algumas leis que existem e as novas justamente porque não existem pessoas capacitadas em número suficiente pra colocarem em prática.

    [Responder]

  10. Por um trânsito melhor! | Papo de Gordo

    [...] o post que deu início a esta campanha. Divulgue, compartilhe! Vamos lutar por um trânsito melhor! bb_keywords = "cachorro, gato, bicho [...]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br