Porque fazer humor e podcast é uma arte

































Mentiras sinceras me interessam…


Autor: Mafalda ~ 13 de setembro de 2011. Categorias: Sofá da Mona.

Adoro Cazuza e suas letras ainda atuais. Mas não é sobre o Cazuza essa coluna. É que assisti a um filme hoje e essa música me veio à mente. Você vai sacar o motivo.

O filme é a comédia romântica Jack and Chloe (Jusqúà toi ou Every Jack has a Jill- em cartaz na rede Telecine), uma produção francesa de 2009. Ok, se você tem resistência a filmes franceses, pode assistir sem “medo”. Não é um daqueles filmes geniais e incompreensíveis para nós pobres mortais, com gente pelada, fumando e discutindo e tudo em preto e branco (rsrs). É só um filme leve, despretensioso, que diverte e te deixa leve no final.

Jack (o fofo Justin Bartha) é um cara comum, deprimido e confuso com um recente pé na bunda que lhe tira o chão. Pra piorar, ele havia ganhado uma viagem a Paris numa promoção de um refrigerante… Apesar de não gostar de viajar, ele é encorajado pelos amigos a ir, mesmo que sozinho. Jack é tão caseiro que não tem sequer mala. Empresta uma antiga (vermelha) de seu falecido pai (a fala da mãe sobre a mala é uma pérola – recuso-me a dar spoiler). Chloe (a divina Mélanie Laurent) é uma jornalista francesa, sensível e talentosa, insegura e com medos estranhos (como falar ao telefone, por exemplo). Ela é escalada para fazer uma viagem de trabalho pela empresa em que trabalha. O previsível acontece: extravio de bagagem no aeroporto e a mala de Jack vai para Chloe.

Testemunhar o estranhamento cultural entre o norte-americano Jack e os funcionários do hotel francês rende boas risadas, mas tudo muito sutil, sem pastelão. Elenco de apoio irretocável.

De posse da estranha mala, Chloe decide abrí-la. Seu conteúdo a surpreende e encanta. Será possível conhecer alguém se baseando nos itens de sua mala? Ok, pura ilusão, as tais “mentiras sinceras…” que citei, mas não é uma idéia criativa e fofa? Chloe se “apaixona” pelo homem que imagina ter feito aquela mala. Parece bobagem, mas será que todos nós (pelo menos de imediato) não nos apaixonamos por alguém que idealizamos? A tímida Chloe resolve então devolver a mala, com seu endereço e com fotografias tiradas com a máquina de Jack. Cada foto, um recado e um pouco sobre quem ela é. Uma aposta no destino, na ilusão. Por quê não?

Destaco a trilha sonora. Achei deliciosa, cool.

Agora, o resto é com você: assistir, gostar ou não. Acho que me tocou a timidez das personagens e talvez tenha me identificado com suas supostas esquisitices (que achei normais, aliás). É duro ser diferente, ter um mundo interno complexo e rico. Então, mesmo que seja pura ilusão de cinema, é bom ver uma história bem contada, com graça e leveza sobre o que idealizamos e a realidade que se apresenta. Tem dias, que é só disso que precisamos: um pouco de ilusão.



Clique no retângulo acima para acessar o blog da Ju Teófilo


Mona Cine: 500 dias com Ela


Autor: Mafalda ~ 26 de agosto de 2010. Categorias: MonaCine.

Em uma primeira análise, 500 Dias Com Ela seria apenas outra comédia romântica, com todos os clichês do gênero: rapaz conhece mocinha, mocinha não acredita no amor, as coisas vão bem e, de repente, desandam.

Mas 500 Dias consegue muito mais que isso. Para começar, ao contar a história de maneira não linear, em formatos de pequenos clipes, o diretor Marc Webb já dá ao filme um formato muito mais interessante. Antes de cada trecho, a legenda informa qual é o “dia” do relacionamento a que ele se refere, e essas idas e vindas do roteiro vão montando um mosaico dos personagens, além de mostrar o que deu certo e errado na relação de Summer e Tom.

O diretor, que veio do mundo dos videoclipes e dirige seu primeiro longa, consegue dar muita agilidade à trama, cada pequeno corte tem seu interesse e consegue nos deixar curiosos para saber mais sobre a história. O ponto alto, para mim, é uma cena em que a tela é dividida em “expectativa” e “realidade”, onde acompanhamos ao mesmo tempo o que o protagonista espera que acontecerá em sua noite e o que realmente acontece. Muito bom.

A trilha sonora não só é incrível, como está totalmente amarrada ao enredo, como na primeira vez que o casal conversa, o que acontece por causa de uma música do The Smiths que Tom está ouvindo. Além disso, ele veste o tempo todo camisetas de bandas de rock, como Joy Division.

E assim, 500 Dias Com Ela vai contando não uma história de amor, mas o contrário, com todos os desencontros possíveis entre um rapaz ligeiramente ingênuo e uma garota que não quer se relacionar com ninguém.

Ah… e Zooey Deschanel é mais que adorável… até quando não quer compromisso.

Podem assistir sem medo.

Aproveite e VOTE TAMBÉM NO BLOG DE TIRAS EM QUADRINHOS DA  PLUMA – A GATA, Aqui!


Monacast 27 – Comédias Românticas


Autor: Mafalda ~ 31 de julho de 2008. Categorias: podcasts.

E finalmente, o Monacast 27 sobre Comédias Românticas!!

Com dois convidados especiais: Jurandir Filho e Maurício Saldanha do Rapadura Cast!!

Neste Monacast vamos falar de nossas comédias românticas preferidas, discutir “o que é uma Comédia Romântica afinal??” E a atriz mais “comédias românticas” seria: Julia Roberts, Meg Ryan ou Angelina Jolie (?!?!)

E o que seria um filme de comédia romântica: Mensagem para Você, Uma linda Mulher ou Sr. e Sra. Smith (?!?!)

Veja também: Prêmio Podcast 2008

Comentários, criticas, elogios: monacast@monalisadepijamas.com.br

Beijos da Mafalda

(versão ZIP): download
Assine nosso feed no iTunes








Busca

© 2007-2019 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br