Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Ponto Gê: As peripécias de viver na noite



Por Doduti - 23 de junho de 2009. Categorias: Ponto Gê.

Doente de amor, procurei remédio na vida noturna…com a flor da noite em uma boate aqui na zona sul. A dor do amor é com outro amor que a gente cura, vim curar a dor desse mal de amor na Boate Azul.

Está aí, santa Boate Azul curadora dos males do amor, da solidão dos solteiros e dos casados e das famosas dores de corno. Responsável pelo fim e início de muitos relacionamentos é na vida noturna que nos deparamos com situações e pessoas extremamente bizarras. Muito se comenta a fama de uma noitada, mas ninguém enumera os sacrifícios de uma. Vou citar alguns e gostaria que se a memória me falhar, possa contar com as experiências de vocês.

Veja bem, eu adoro uma boa balada e todos esses sacrifícios não reduz em nada a parte boa da vida noturna. Mas vamos lá.

Filas

A fila é a coisa mais chata da balada. Fila para entrar, fila para comprar bebida (essa me irrita demais) e a maldita fila do banheiro. Se você não for amigo do dono da boate, onde recebe um atendimento 100% vip, evitando filas no bar e usando o banheiro reservado (toda boate tem um e pouca gente sabe), você esta findando a perder metade da noite comprando bebida e indo ao banheiro. Sobrando apenas a outra metade para dançar, arrumar uma gatinha ou gatinho e até mesmo comentar os acontecimentos com as amigas. Devo fazer uma ressalva para as mulheres. As filas no banheiro são muito mais penosas para nós, já que mulher faz xixi sentada. Até arrumar um ponto de equilíbrio para não encostar-se ao vaso sanitário, depois de beber horrores, leva muito tempo. Isso sem contar disputas pelo espelho e pelo resto de papel. Na saída o mico de levar no salto um pedaço de papel higiênico preso, não tem preço.

Calor demais

Tem boate que se gaba de ter climatização, mas na hora do vamos ver, nunca está funcionando de maneira adequada. E tudo se acaba. O rosto da mulherada começa a derreter, literalmente; o cabelo lisinho vira um cacho só; se está baixinho começa a criar vida própria e triplica o volume. Toda aquela produção de duas horas acaba ali, em minutos naquele sufoco. Para eles aquele suador. Pizza embaixo do Braço e as despesas com a cerveja gelada triplicam.

Empurra – empurra

Para que meu deus (desculpa pecado), para que colocar mais gente do que cabe. Dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, não insista. Mas eles socam de gente e daí que pra dançar, só se for show da Banda Eva. “Todo mundo pro lado de lá, todo mundo pro lado de cá”. Baixinhos mesmo, têm que pular pra conseguir pegar um pouco de oxigênio. É nessas horas que os engraçadinhos se aproveitam e a mão boba começa. Minha filha corre para a parede mais próxima.

Os bêbados

Tem bêbado chato nesse mundo. Puta que pariu. Está certo que eu já fiquei bêbada muitas vezes e sempre me acho legal. Mas mesmo achando os bêbados engraçados, me identifico sabe, têm uns que se superam. Bêbado chato é aquele que fica perguntando se está chato o tempo todo. “Se eu tiver chato tu me avisa?”. “Ta”. “Ta avisa?”. “Não, ta chato”. Tem um guri na minha cidade que está sempre bêbado nas baladas, ele tem uma cara de que vai vomitar nas pessoas a qualquer momento. Na balada, esses são os piores. Babam na sua cara, derramam bebida na sua roupa e esbarram a todo o momento.

Cantadas esdrúxulas

Depois de certo tempo e do nível etílico nas alturas, começam as cantadas de quinta. Isso quando o cara não chega tentando te beijar. “Acredita em amor à primeira vista?”, “Vens sempre aqui?”. E por aí vai… Por sorte tem sempre o recurso do banheiro. “Ai, espera ai que eu já volto”… Nunca mais.

Puxões e apertões

Está aí uma das piores coisas que alguém pode fazer numa balada. Olha, dá para suportar as filas, o calor, os empurrões e até os bêbados, mas puxar o cabelo e apertar a cintura: NÃO. Se pega uma na TPM, é morte heim. Só de imaginar já da raiva. Fala comigo, mas não vem pegando.

Depois de tudo isso, você ainda volta para casa fedendo a fumaça, mais defumado que salame.

Nada como uma boa balada.

Beijos a todos,

Veja também:

2 Comentários to Ponto Gê: As peripécias de viver na noite

  1. carol-jp

    Nossa, tem tempo que eu não vou numa festa assim, boate e tal. Nunca curti muito sair de casa, saía pq não tinha outro jeito né.
    Mas de fato, eu odiava aquilo, principalmente essas coisas aí citadas. A pior de todas certamente são os bêbados! :P

    Alias, chegar em casa fedendo a fumaça também era bem desagradável^^

    [Responder]

  2. Davi Graeff

    Nossa Gê, descreveu muito bem. E bêbados podem ser muito engraçados dependendo do contexto e desde que não sejam seus amigos e você não tenha que tomar conta deles.

    [Responder]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br