Porque fazer humor e podcast é uma arte

































“A Vida Secreta das Abelhas”


Autor: Mafalda ~ 10 de agosto de 2010. Categorias: Sofá da Mona.

Artigo raro nos dias atuais, a generosidade faz imensa falta…

Alguns anos atrás, li um livro que me encantou justamente por transbordar esta preciosidade de suas páginas. Curiosamente, naquela época, imaginava que aquele livro deveria virar um filme devido a sua estrutura narrativa, a riqueza de suas personagens, seu simbolismo e, principalmente, para que tal mensagem de generosidade pudesse chegar a um número maior de pessoas (Sim, sou realista: a maioria tem preguiça de ler).

Pois tive a grata surpresa de assistir “A vida secreta das abelhas” (2008) num canal de filmes da TV a cabo (Se você não tiver TV a cabo, alugue o DVD: vale a locação). Minha alegria começou ao notar que o título original foi preservado. Confesso que detesto certas “versões” que criam para alguns nomes de filme aqui no Brasil, pois nem sempre captam a intenção do original e geralmente subestimam a inteligência dos espectadores. Anyway…

O casting foi primoroso. Todos estão bem em seus papéis, sem excessos, mas com detalhes sutis que marcam a interpretação. Cenas em que não há palavras, mas em que muito é dito pelo olhar, pelo balbuciar, pelo gesto. Porque algumas coisas são, de fato, indizíveis (especialmente as dolorosas). Dakota Fanning, Queen Latifah, Alicia Keys (megatalentosa e linda), Sophie Okonedo (irreconhecível no papel de May) se destacaram sob a sensível direção de Gina Prince-Bythewood. O roteiro foi bastante fiel ao livro de Sue Monk Kidd, o que julgo fundamental.

A vida secreta das abelhas
Montagem do cartaz original com a famosa “casa rosa”

A Carolina do Sul (EUA), interiorana e racista da década de 60, em que negros ainda não podiam entrar em certos estabelecimentos e sequer tinham direito de voto é o cenário da trama. Acompanhamos a saga de uma garotinha branca que chega à “casa rosa” (literalmente), onde vivem as irmãs Boatwright que sobrevivem da apicultura. Desde pequena, ao perder sua mãe de um modo absurdo, esta garota carrega um dos maiores pesos que um ser humano poderia imaginar em uma existência.

Acolhida pelos excluídos, identificada com os marginalizados, ela encontra na casa rosa uma ilha alheia ao mundo injusto e ao passado de violência e abandono. Uma ilha de amor, de aceitação, de generosidade. Penso não ser por acaso, as irmãs Boatwright terem os nomes dos meses de calor nos EUA: May, June, August.
Observando o convívio da garota com as irmãs ao longo do tempo, percebe-se que a generosidade com o outro é tão importante quanto a generosidade consigo mesmo (a mais difícil). Porque é preciso perdoar-se também, aceitar-se humano, falível, porém ainda digno de ser amado (Pensa que isso é fácil? Então, pense melhor…).
E naquela propriedade onde fica a casa rosa, onde há a aceitação de cada um com suas características, virtudes e limites, onde a generosidade das irmãs de fato aquece e aninha a garotinha e os necessitados, só se poderia esperar a produção de algo tão doce e, ao mesmo tempo, fortalecedor como o mel.

colhendo mel
As personagens Lilly e August coletando favo de mel: doçura que fortalece

Outro ponto bastante tocante na história é o papel de uma via de expressão, de vazão de sentimento, para tornar a sanidade algo tangível. Quer seja colocando bilhetes num muro de pedras (veja o filme e entenderá), quer seja escrevendo suas histórias, expressar-se de algum modo é vital e talvez o único caminho possível a partir de uma dor tão imensa.

Num mundo em que olhar para si e para os outros, com olhos sempre críticos e severos demais parece ter se tornado uma tendência, acho que a Vida Secreta das Abelhas nos oferece muito para reflexão.


ROBÔ B-9 trabalhando na NET


Autor: Mafalda ~ 15 de janeiro de 2008. Categorias: Sem categoria.

Enquanto estivemos em Floripa, a NET – tv a cabo - resolveu descodificar todos os canais a cabo. As crianças que estão acostumadas a todo dia ver Discovery Kids sentiram falta.

Algum ser inteligente teve esta brilhante idéia de descodificar a tv de toda a cidade de São Paulo, enquanto o povo tá de férias, e férias escolares …. o que significa: crianças em casa!

Com certeza esta mente brilhante NÃO TEM FILHOS!!!!!

E como toda a cidade está sem os canais, você tenta ligar na operadora e não consegue de jeito nenhum!

Para “melhorar” resolveram mudar o sistema de operação, deixando o mais “humanizado”. Um sistema que detecta voz, um tipo de robô feliz e meigo.

Pensando melhor agora, acho que eles se inspiraram na Jeannie é o Gênio para este novo suporte. Ou contrataram o Robô B-9 do Perdidos no Espaço para operar as ligações, aquele robô que gesticulava freneticamente os braços falando “Não tem registro! Não tem registro!”

jeannie.jpg

Eis a ligação pra NET, com o novo sistema de atendimento robotizado:

NET:  “Olá, você ligou para a NET. Para te ajudar diga o que você quer: Suporte técnico, compras, ajuda com outros assuntos, etc.”

Eu: “Suporte Técnico”

NET: “Não entendi. Por favor, diga Suporte Técnico, Compras, ajuda, ou falar com os atendentes…”

Eu: (grrr) “Falar com os atendentes”

NET: “Não entendi. Por favor, diga Suporte Técnico, Compras, ajuda, ou falar com os atendentes…”

Então, soou um barulho externo perto de onde eu estava.

NET: “Ah, entendi. Você quer falar com compras!”

NET: “Por favor confirme se você quer falar com compras dizendo Sim ou Não”

Eu: “Não!”

NET: “Ah, entendi! Você não quer falar com compras. Você quer Suporte técnico, ajuda, compras ou falar com nossos atendentes?”

Eu: “SUPORTE TÉCNICO!!!”

NET: “Ah, entendi! Acho que você quer falar com o suporte técnico. Diga Sim para falar com suporte técnico, ou NÃO para retornar.”

Eu: “Sim.”

NET: retornou tudo de novo……

lostinspace.jpg





Busca

© 2007-2019 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br