Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Nós, os seres estranhos



Por Phoebe - 12 de abril de 2011. Categorias: Cantinho das Monas.

Cheguei à conclusão de que sou mesmo uma pessoa muito estranha. Tirando outros espécimes encontrados aqui pela internet, não conheço pessoalmente outros seres iguais a mim.

Tudo porque não gosto de reuniões sociais. Enquanto algumas pessoas são tão loucas por festas que são capazes de marcar presença sem nem mesmo terem sido convidadas, eu fujo delas. Recebo um convite de casamento e já suo frio, porque sei que o negócio vai ser tenso.

Até bem pouco tempo atrás eu não havia ainda percebido isso.  Precisou o meu marido reclamar para só então eu perceber. Só ele notava que eu tinha pelo menos dez justificativas perfeitas para não comparecer a nenhum dos eventos sociais para os quais éramos convidados. “O bebê adoeceu”, “não tenho com quem deixar a nossa filha”, “amanhã minha mãe não vai poder ficar com ela”, “está chovendo, as crianças vão adoecer”, “é muito longe, daqui que a gente chegue lá, já vai ter terminado”, “mas o convite diz pra ir de branco, eu não tenho roupa branca”. Isso quando ele me cobrava para ir ao evento – já que, em boa parte das vezes, por me conhecer tão bem, nem perdia o seu tempo.

Eu simplesmente não gosto de  ”fazer social”. Ir a um lugar, sentar e conversar com pessoas com quem não tenho intimidade, definitivamente, não é a minha praia. A propósito, também não gosto de praia!

Seria até uma característica charmosa, se não causasse tantos problemas. Afinal, soa para os “normais” um tanto antipático o fato de você faltar a todos os churrascos da turma, as festinhas da família, os casamentos dos colegas de trabalho… a solução, para a coisa não ficar tão feia para o nosso lado, é ceder vez ou outra. A cada cinco churrascos que você faltou porque alguém da família adoeceu (segundo a desculpa que você inventou), você comparece a um, nem que seja para sair depois de meia hora – já que, afinal, você agendou uma consulta de emergência com o seu dentista para logo mais. Mentira, claro, mas quem – além de nós – precisa saber? ;)

Phoebe

Veja também:

18 Comentários to Nós, os seres estranhos

  1. Rebecca Agra

    Concordo plenamente! Me sinto um ET quando alguém olha pra mim com os olhos arregalados “Como assim você não quer ir? Vai ser uma festa épica!!!!!”.
    Acho que cada pessoa tem seu jeito de se divertir e eu não curto multidões Rsrsrrsrsrsrs!

    [Responder]

  2. Davi S. Graeff

    Eu até gosto de reuniões sociais, com os meus amigos.
    Concordo com a Phoebe quanto a fazer a social com gente que eu conheço pouco ou conheço e não gosto, eu evito todas as ocasiões disso e nem dou desculpa, falo que não vou porque não quero mesmo e pronto. Nestes momentos a má fama ajuda.
    E eu gosto de praia! Vazia claro…

    Hahahaha! E essa foto com o dedo polêmico do ET?

    [Responder]

    Phoebe Resposta:

    @Davi S. Graeff,

    Praia é muito sem-futuro, Davi! Você fica derretendo sob o sol escaldante, suando litros, e a areia vai se juntando com o vento, grudando no suor… é uma perfeita prática culinária, uma aula de como fazer bife à milanesa.

    Sobre o ET, só notei o dedo agora, depois que vc falou! rsrs!

    [Responder]

    Mafalda Resposta:

    Mas praia vc só fica lá feito bife, se ficar na areia. O bom é água, o mar!
    Mas sei que isso vc não gosta também. :)

    [Responder]

    Davi S. Graeff Resposta:

    @Mafalda,
    Deixa ela Mafalda! Isso de ficar na areia virando bife é coisa de quem tem medo de água.
    Concordo com você, o bom é aproveitar pra dar um mergulho, até porque branco do jeito que eu sou se ficar no sol capaz de sair de lá direto pro hospital…

    Euba Resposta:

    @Phoebe, Ficar tostando na areia toda besuntada é coisa de quem vai na praia uma vez por ano. Eu vou na praia e não fico assim. Gosto de ir, ficar um pouco, voltar pra casa, praia de novo…

    Agora, bom mesmo é ser assim qdo se nasceu numa família que adora festa, com uma mãe perua, e pai, mãe e irmão que conhecem a cidade toda!

    [Responder]

  3. Ana Christina

    @Rebecca Agra, Tão bom constatar que vc não está sozinho no mundo, há vários seres estranhos como eu… rs
    Tirando os encontros e festas de meus amigos mais íntimos, tenho desculpas prontas para todos os outros… Odeio lugar cheio e barulhento! Acho uma agressão a mim ter que sorrir o tempo todo para pessoas que eu sei que não são minhas fãs ou tentar conversar com pessoas com as quais vc não tem assunto! Meu marido não entende muito isso, mas… azar o dele!!! rsrsrsrs

    [Responder]

  4. Ana Christina

    Rebecca, a resposta não foi diretamente para vc, desculpe a confusão…

    [Responder]

  5. Ledark

    Também estou no ritmo da Phoebe. Evito tudo quanto é tipo de evento social. Mas meu agravante no caso, é que não é apenas os eventos sociais que me deixam tensos: Pessoas em geral, pode ser uma ou algumas, conhecidas ou não, e eu já começo a suar frio e ser tomado com uma crise de ansiedade.

    Já sei que tenho que ir em psicólogos para procurar ajuda, mas quem disse que eu tenho coragem de tomar tal iniciativa. Se o psicólogo fosse um robô ao invéz de uma pessoa, eu certamente iria. Ou quem sabe, se fosse uma consulta online onde eu pudesse comparecer usando um perfil fake do orkut…

    Sim, eu sei que é lamentável, mas ultimamente até ando fazendo um esforço para mudar. Até passou pela minha cabeça, de modo meio vagante, uma idéia para fazer aulas de teatro e ir na próxima vez que tiver uma festa de aniversário de algum conhecido. Falta coragem, mas vou juntando aos poucos =D

    [Responder]

  6. Danilo Cecilia

    Eu apenas odeio os lugares que em o nível social é maior do que o meu, me sinto um peixe fora d’ água, principalmente se existem pessoas que não conheço ou pessoas com quem não tenho intimidade, gosto de eventos sociais para pessoas que considero que são apegados a mim, por exemplo familiares e amigos de infância, aí sim é algo gostoso.

    [Responder]

  7. silva

    É preciso reunir muuuuita energia pra ficar sociável (It means: beer)
    P.S.: ou pode ser que não se fique sociável nem assim…

    [Responder]

  8. Jack

    Phoebe, não se preocupe pois não é só você que é assim. Eu também não me sinto confortável em eventos sociais. Detesto ir a festas. Se for obrigado a ir e eu conhecer alguém, fica até chato porque fico colado nela.

    Por isso evito esses eventos, já que me sinto um peixe fora dágua. O mais próximo que consigo são reuniões com pessoas com quem tenho muita intimidade.

    Acho que o terror de pessoas assim são as festas de fim de ano no trabalho, né?

    [Responder]

  9. Ju Teófilo

    Depois do que li, só posso dizer que somos ALMAS GÊMEAS.
    Acho que sou a pessoa mais anti-social.
    Bjs

    [Responder]

  10. Antonio

    @Euba, Bom é sentir o vento no rosto, o barulho das ondas, a areia nos pés, e claro, dar um bom mergulho!
    E concordo, tudo isso é estragado se a praia estiver cheia!
    Também sou péssimo em situações sociais e multidões. Tem prazeres na vida que só se consegue em silêncio e com as pessoas certas!

    [Responder]

  11. Claudinei

    Estamos no mesmo clube, Phoebe! Não tenho um grau de sociabilidade alto para sair conversando com qualquer um. Também não curto festas nem praia. Só é duro argumentar com a patroa…

    [Responder]

  12. Cristina

    Bom saber que nao estou sozinha. Ja passei por varias situações dificies por nao querer ir a eventos sociais. Passo mal dias, semanas antes do evento e na hora invento alguma coisa. Alias, inventava, agora nem invento mais, digo que nao vou, ou entao, que vou e nao hora nao comparaço. So que a sociedade nao entende isso, e sou extremamente julgada por essa minha condiçao, a ponto de perder namorado.

    [Responder]

  13. Elaylton

    Que afago saber que existem pessoas como eu!
    Quando eu tinha uns 20 anos fui no psicólogo e psiquiatra achando que tinha fobia social e, foi uma das experiências mais traumatizantes da minha vida! Psiquiatra me prescreveu remédio pra ansiedade que tirou minha personalidade que é uma pessoa reservada, fiquei muito falante e a flor da pele, dava bondia a cavalo, e o remédio me deixou calmo até demais, eu percebendo que aquilo estava me fazendo mal parei de usar, e passei mal com os efeitos de abstinência, aí que não tomei mesmo!
    Apesar de a experiência ter sido traumatizante foi um baita de um aprendizado, o problema não era um problema, e sim meu jeito de ser. Não preciso ser sociável, ah descobri que não sou anti social, me relaciono com as pessoas normalmente, até trabalho com pessoas, sou bem comunicativo, mas odeio multidão, aquelas em que a maioria das pessoas são desconhecidas. Reunião de parentes me deixa muito estressado, não gosto de algumas visitas em casa.
    Resumindo, gosto do meu cantinho sossegado, ter amigos com quem tenho afinidade.
    Falei demais hehehe. Mas é muito reconfortante saber que não sou único.

    [Responder]

  14. Samela Costa

    Também não sou muito chegada a este tipo de ambiente social, sofro muito com a presença de pessoas estranhas e de locais com multidões.

    [Responder]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br