Porque fazer humor e podcast é uma arte
































Ondine – Um pouco de poesia na vida



Por Mafalda - 11 de abril de 2012. Categorias: Sofá da Mona.

Em cartaz no Telecine Touch (TV a Cabo), Ondine foi uma surpresa agradável para mim. Embora eu seja munida de argumentos racionais, não consigo evitar um certo … acho que asco, ou uma certa aflição talvez, a respeito do ator Colin Farrell. Alguém sabe me explicar por que o cabelo dele parece eterna e profundamente ensebado?! Todavia, no papel de um pescador irlandês, o ator parece ter o aspecto perfeito para a personagem solitária e sofrida que interpreta. Um dia, captura uma mulher em sua rede. Uma mulher diferente, que canta em uma língua estranha e parece trazer sorte a sua pescaria em ruínas até então.

Pai de uma garotinha portadora de insuficiência renal e imaginação gigantesca, não demora muito para que a menina encontre nas fábulas celtas uma que se encaixasse perfeitamente na chegada e atitudes da forasteira. A menina é tão boa em inserir poesia para tornar sua vida possível, que nos faz questionarmos se a magia não seria mesmo viável em nossas vidas. Seria Ondine uma foca transformada? Excelente interpretação da pequena atriz Allison Berry.

O roteiro é amarradinho, não há muito espaço para erros. A economia de personagens e  de excessos visuais (uma mania nesse tipo de fábula moderna) ajudam no clima de verossimilidade. A fotografia escura que atrapalha em certos momentos, foi uma escolha acertada para mostrar a falta de luz e oxigênio em que a família protagonista está mergulhada.

Ondine é uma releitura moderna de uma antiga fábula celta, sobre a transformação de focas em mulheres que poderiam visitar o ambiente terrestre e vice-e-versa, criaturas do mundo aquático. Mudar a própria pele era uma ação crítica para que pudesse permanecer na terra. Então enterrava a pele de foca, para poder ficar ao lado do pescador por quem havia se apaixonado e de acordo com as ordens dadas pela pequena Annie após pesquisar em todos os livros da modesta biblioteca local. Talvez a visão de uma criança seja a melhor para vermos a vida. A magia é uma explicação melhor que a crueza da realidade violenta, triste, injusta e sem sentido. Nunca achei que diria isso de um filme com o ensebado Colin, mas vamos lá: eu recomendo. Filme delicado e com senso de humor irlandês. Todos merecem novas chances, até nós mesmos.


Veja também:

2 Comentários to Ondine – Um pouco de poesia na vida

  1. Keera Moon

    Adoro essa parte da mitologia celta, o nome dos seres metade foca e metade humana chama-se “Selkie”. Li um livro que conta a historia de um bruxa que encontra um selkie masculino numa caverna, ela pega a pele de foca dele que fica separada do corpo qdo ele vira humano e a esconde, qdo ele acorda se apaixona por ela e juntos formam uma família, mas um dia ele encontra a pele e não podendo resistir, se transforma e volta para o mar esquecendo tudo que viveu durante o período que esteve na terra. O livro termina com a redenção dos descendentes dos dois.

    [Responder]

    Ju Teófilo Resposta:

    @Keera Moon,Keera,eu também. E acho que aqui conhecemos muito pouco desta mitologia, dada a influência cultura maior de gregos e romanos (dos quais conhecemos melhor a mitologia).
    A história que vc contou, me lembrou analogamente, a de Perséfone rsrsrsr
    BEIJOS

    [Responder]

Deixe seu comentário:





Busca

© 2007-2016 Monalisa de Pijamas - Todos os direitos reservados. Contato: mafalda [arroba] monalisadepijamas.com.br